Maior área plantada do milho na safrinha deste ano também contribuiu para melhor projeção - Foto: Pedro Revillion/Palácio Piratini

São Paulo – A produção de milho na segunda safra 2018/19 do Brasil deve crescer cerca de 21% ante a passada, puxada tanto por um aumento de área quanto por perspectivas de melhores produtividades, embora incertezas pairem sobre o mercado após perdas na colheita de soja, mostrou ontem uma pesquisa da Reuters.

Conforme a média de nove estimativas de consultorias e entidades do setor, o Brasil deverá produzir 65,3 milhões de toneladas de milho na chamada safrinha, contra 53,9 milhões na temporada anterior, marcada por condições adversas em várias regiões, sobretudo no Paraná.

Tal incremento é puxado, em parte, pela área 4,2% maior ante 2017/18, segundo a pesquisa, que apontou um plantio de 12 milhões de hectares para a safra que será colhida em meados do ano. A safrinha responde por cerca de dois terços da produção nacional de milho.

Preços – A expansão reflete o ânimo do produtor com os preços. O indicador de milho do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Esalq/USP, está cerca de 20% acima do visto um ano atrás, na casa dos R$ 41 por saca.

Em paralelo, há tempos não se via uma janela de plantio tão “ideal”. Com a colheita de soja adiantada, produtores estão avançando também com a semeadura do cereal de safrinha, deixando as lavouras por mais tempo expostas ao período de chuvas, o que pode lhes garantir melhores rendimentos.

“Estamos otimistas porque o cumprimento adequado da janela de cultivo da soja diminuiu os riscos climáticos associados ao cultivo do milho”, afirmou o analista Vitor Belasco, da IEG FNP.

Com o plantio em uma época mais favorável, a produtividade poderia atingir 5,13 toneladas por hectare, ante 4,67 toneladas no ano passado, segundo estimativa preliminar do Rabobank, baseada em linha de tendência.

No Paraná, estado mais afetado pela estiagem durante a safrinha do ano passado, as condições estão melhores agora. Segundo o Departamento de Economia Rural (Deral), mais de 90% das lavouras se encontram em estágio bom e o estado tende a elevar a colheita em 40%.

Em Mato Grosso, maior produtor brasileiro do cereal, a expectativa do Imea é de produtividades cerca de 3% superiores, acima de 6 toneladas por hectare. O estado deve produzir quase 29 milhões de toneladas de milho na segunda safra 2019/19.

Belasco, da IEG FNP, acrescentou ainda que, graças ao dólar apreciado durante a corrida eleitoral, o produtor conseguiu antecipar a comercialização a preços remuneradores, obtendo financiamento necessário para arcar com os investimentos que podem garantir maiores rendimentos agrícolas.

Clima – Apesar do cenário favorável, o mercado não descarta riscos à segunda safra de milho do Brasil. E o temor recai basicamente sobre o clima, já que a estiagem que prejudicou a soja deixa os produtores receosos.

Em paralelo, uma nova tributação em Mato Grosso também enfurece os produtores, com impacto maior previsto na semeadura de 2020. (Reuters)