Faturamento da MHB foi de R$ 29 mi - Créditos: divulgação

Depois de resultados bem acima da média do mercado em 2018, a MHB Hotelaria – Minas Hospitality Business, sediada no bairro União (região Nordeste), lança a consultoria Prime Sales. A novidade pretende compartilhar a expertise adquirida pela administradora hoteleira com hotéis independentes de todo o Brasil.

Responsável pelas bandeiras Stop Inn e Ímpar Hoteis, a MHB passa a prestar consultoria para independentes. De acordo com o diretor administrativo da MBH, Pablo Ramos, o trabalho terá foco na necessidade específica do cliente.

“Muitas vezes o hotel não precisa de uma nova administração. Precisa, apenas, corrigir um ponto específico, como o regime tributário escolhido ou reorganizar a gestão de pessoas, por exemplo. Então vamos fazer o diagnóstico e atuar pontualmente. Isso acelera os resultados e gera um custo muito menor para o cliente. A Prime Sales não vai assumir operações de terceiros”, explica Ramos.

A consultoria também vai atuar na conceituação e criação de identidade dos empreendimentos. Poderá também ajudar na conversão de bandeira daqueles que desejarem, mas sem assumir a administração.

Em 2018, o faturamento da MHB foi de R$ 29 milhões, sendo que a Ímpar Hotéis obteve um crescimento de quase 12% referente ao exercício anterior. Já na Stop Inn, o resultado foi ainda melhor, 32% de aumento no faturamento em 2018.

“São produtos que vieram de outras administrações com custo de gestão muito alto. Então o que buscamos foi um reposicionamento de mercado revisando o custo para o investidor. As grandes redes chegaram a Belo Horizonte priorizando o seu próprio ganho sem dar muita importância ao investidor. Isso não poderia dar certo em um mercado extremamente competitivo e que seria seriamente abalado com a crise econômica que alcançou todos os setores”, analisa o diretor administrativo da MBH.

Para o executivo, a hotelaria de Belo Horizonte está, finalmente, reagindo à crise, mas ainda será necessário um bom tempo para que os resultados voltem aos patamares que tinham antes de 2014.

“Prometeram dividendos irreais mesmo para épocas de economia favorável. Acredito que ainda vá demorar mais de um ano para que alcancemos a marca de 0,8% de retorno. Esse deve ser um ano de estabilização e de fazer um fluxo de caixa. Em nenhum dos nossos hotéis tivemos em 2018 resultados inferiores aos de 2017. Conseguimos distribuir lucro em todos eles porque detivemos as despesas”, completa.