Demanda de produtores e estudantes por curso é elevada - Crédito: Acervo pessoal/Capim Canastra

Minas Gerais terá a primeira escola para a formação de mestres queijeiros de leite cru do País. A unidade, que já teve a construção iniciada, está localizada em São Roque de Minas, na região Centro-Oeste do Estado, produtora do Queijo Canastra. Com investimentos próximos a R$ 800 mil, a primeira fase das obras inclui a construção da área administrativa e a queijaria sala. A previsão é concluir a etapa em até seis meses. Os primeiros cursos estão programados ainda para 2019.

A construção da escola foi possibilitada pela parceria realizada entre a Associação dos Produtores de Queijo Canastra (Aprocan), a Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) e a prefeitura de São Roque de Minas. De acordo com o presidente da Aprocan, João Carlos Leite, o projeto será dividido em três fases.

A segunda etapa prevê a instalação dos laboratórios e a terceira, das casas de maturação. Até o momento, os recursos financeiros são suficientes para a implantação da primeira fase. A Aprocan está em busca de mais recursos para construir as etapas restantes.

“A escola é fundamental para a produção do Queijo Minas Artesanal. O ganho para o setor do queijo artesanal de leite cru será enorme, uma vez que irá reunir resultados de pesquisas, estudos, cultura e disseminar para os estudantes. É uma iniciativa muito importante para a valorização do queijo de leite cru e para avançar na produção. Além disso, vamos capacitar os jovens e estimular a fixação dos mesmos no campo, contribuindo para a sucessão familiar”, destacou Leite.

Cursos – Os primeiros cursos estão previstos para 2019. A grade ainda será elaborada. De acordo com Leite, a Aprocan está em negociação com uma professora francesa, que tem doutorado na área de queijo, para que ela, durante um ano, atue no desenvolvimento dos cursos e da escola. A entidade também está em negociação com um mestre queijeiro que atuou na produção de queijos na Europa por mais de 30 anos.

“Nossas expectativas em relação à escola e aos cursos que serão ministrados são muito positivas. É um avanço muito importante para a produção de queijo de leite cru. Esta será a primeira escola de queijeiro de leite cru do País, uma experiência inovadora e fantástica instalada em Minas Gerais. A demanda pelos cursos já é grande e estamos recebendo contato de estudantes e produtores de vários estados”, disse Leite.

Regularização – Ainda segundo Leite, a produção de Queijo Minas Artesanal tem grande importância social e econômica. Somente regularizados junto à Aprocan já são 40 produtores de queijo artesanal, responsáveis pela produção média de 20 quilos de queijo por dia. Esses produtores empregam 66 pessoas.

Os produtores que já estão regularizados e aptos a utilizarem o selo da Região do Queijo da Canastra atendem demanda de todo o País.

O quilo do Queijo Minas Artesanal da região do Canastra é vendido em torno de R$ 50, enquanto os queijos ainda não regulamentados são comercializados entre R$ 12 e R$ 15 a peça.