Nova fase do M-Start traz uma novidade: a abertura de mais uma área temática, que é a de desenvolvimento social - Crédito: Divulgação

Criado há seis meses em Belo Horizonte, o Mining Hub, espaço de inovação subsidiado por 22 mineradoras no Brasil, abre inscrições para a segunda rodada do programa M-Start, que apoia startups que ajudam a resolver problemas do setor de mineração.

A nova fase traz uma novidade: a abertura de mais uma área temática, que é a de desenvolvimento social. Ela busca empresas que tenham projetos que melhorem o engajamento entre as mineradoras e as comunidades no entorno delas. As inscrições vão até 13 de junho no site do Mining Hub (www.mininghub.com.br).

De acordo com a aceleradora corporativa do Mining Hub, Yule Mares, assim como na primeira fase, o programa vai selecionar 15 startups e investir R$ 1,1 milhão na validação de suas soluções. O segundo ciclo se inicia no dia 3 de julho e encerra em novembro com um grande evento de apresentação dos resultados.

“Durante quatro meses, as startups trabalham junto às mineradoras e implementam sua prova de conceito da solução apresentada”, explica a aceleradora.

As cinco principais áreas temáticas para as quais as startups precisam apresentar soluções são: gestão da água, gestão de resíduos, energias alternativas, eficiência operacional e segurança operacional. Nessa segunda rodada, também serão selecionadas empresas que atuem na área de desenvolvimento social.

Segundo Yule Mares, essa nova área busca negócios que ajudem a desenvolver as comunidades no entorno das mineradoras, seja com tecnologias sociais ou programas de empreendedorismo, por exemplo.

“A ideia é de que essas comunidades sejam trabalhadas em campos que vão além da atividade da mineração. Um exemplo são projetos que utilizam os rejeitos das barragens para a criação de novos produtos, que gerem renda para a população local”, afirma.

A aceleradora destaca que a expectativa é de que a nova fase atraia ainda mais candidatos que a primeira, que teve mais de 200 inscrições. Ela lembra que as empresas concorrentes precisam ter algum grau de maturidade e uma solução minimamente testada.

As 15 startups selecionadas no primeiro ciclo do M-Start estão em fase final de aceleração e vão apresentar os resultados dos seus trabalhos em julho.

Das 15 empresas participantes do projeto piloto, oito são mineiras, sendo sete da Capital e uma de Araxá, no Sul do Estado. Do total, três apresentaram soluções para eficiência operacional; quatro para energias alternativas; duas para gestão da água; quatro para gestão de resíduos e rejeitos e duas para segurança operacional.

Novo ciclo – Também está com inscrições abertas até o dia 12 de maio o Mining Lab, programa desenvolvido pela Neo Ventures junto à mineradora Nexa Resources. A iniciativa de inovação aberta tem como objetivo promover soluções para os processos de mineração e metalurgia.

Serão selecionadas até 12 startups que atuem nas áreas de energia, desenvolvimento local e social, concentração mineral, gestão de efluentes e de água e economia circular. Além disso, essa nova edição conta com uma novidade: startups com produtos aplicados ao setor, mas que não se enquadram em uma das áreas do desafio, podem se inscrever por meio do Insights Channel. As inscrições podem ser feitas no site www.mininglab.com.br.