Município do Norte de Minas tem se destacado na atração de projetos do setor farmacêutico - CRÉDITO: DIVULGAÇÃO

Com o objetivo de fortalecer a capacidade de desenvolvimento do município, Montes Claros (Norte de Minas) vai ganhar um Plano de Desenvolvimento Econômico e Sustentável. O projeto foi lançado pela Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste (Sudene), em parceria com a Associação dos Municípios da Área Mineira da Sudene (Amams) e com a prefeitura.

Com apoio do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), órgão da ONU que busca a promoção do desenvolvimento e erradicação da pobreza no mundo, o plano vai realizar um diagnóstico para identificar deficiências em diversas áreas como saúde, educação, mobilidade e segurança e preparar a cidade para receber investimentos com foco no desenvolvimento.

Após a análise e a definição dessas necessidades, a comunidade, entidades e o poder público vão estabelecer metas relacionadas aos aspectos identificados, visando à qualidade de vida do cidadão. Responsável financeiramente pelo projeto, a Sudene formalizou a entrega do termo de referência do Plano de Desenvolvimento Econômico para o Pnud que, por meio de edital, vai definir a empresa de consultoria para coordenar a elaboração do plano.

“O plano vai permitir identificar demandas para atender determinadas atividades que se encaixem no perfil de desenvolvimento econômico da cidade, além de definir a carência de mão de obra qualificada para colocá-las em prática”, explicou o secretário de Desenvolvimento Econômico de Montes Claros, Edilson Torquato.

Segundo Torquato, ainda no mês de novembro serão formados comitês que vão auxiliar a desenvolver o plano no nível municipal e o prazo de conclusão do diagnóstico é de cinco a seis meses. Na avaliação do secretário, o projeto é importante porque cria uma linha de desenvolvimento a ser seguida dentro do âmbito da cidade com a participação da sociedade civil e o auxílio de uma empresa de credibilidade.

“Independente da continuidade do gestor público na função, existe uma linha de ação a ser seguida. É um planejamento feito pela sociedade civil organizada com ações que acham ser pertinentes e ajuda a minimizar um vício de administração pública que existe no País de abandonar o que foi elaborado na gestão anterior”, afirmou.

Projetos – Sobre a atração de investimentos para a cidade, Torquato destacou a implantação do Distrito Industrial II. Com uma área de 2 milhões de metros quadrados administrada pela Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Codemig), o distrito vai receber a gigante do ramo farmacêutico Eurofarma, que adquiriu 250 mil metros quadrados para construir uma fábrica que receberá investimentos de cerca de R$ 600 milhões com geração de mais de 500 empregos.

Nas próximas semanas o projeto será encaminhado para a Secretaria Municipal de Planejamento e Gestão e as obras devem ter início até o final do primeiro trimestre de 2019. Torquato ressaltou que mais cinco laboratórios mostraram interesse em se instalar no novo distrito industrial e que o planejamento é fazer de Montes Claros um polo farmacêutico.

“Com as definições políticas após o resultado das eleições, projetos que estavam parados voltam a ter andamento. Nossa posição geográfica privilegiada e os incentivos da Sudene são fatores relevantes para atrair empresas para cá e a construção do distrito industrial é mais um passo para a atração desses investimentos”, concluiu.