Crédito: Paulo Whitaker/ Reuters

O Morgan Stanley superou as estimativas de lucro para o terceiro trimestre ontem, uma vez que a maior receita com ações e forte subscrição de ações superou a fraqueza em suas divisões de negociação de títulos e consultoria.

As receitas de vendas e negociações do banco aumentaram 7,5%, para US$ 3,13 bilhões, com a receita de ações subindo 7%. A receita de negociação de títulos cresceu apenas 1%.
A incerteza nos mercados globais devido a uma crescente guerra tarifária entre os Estados Unidos e a China e a forte queda na lira turca mantiveram a volatilidade do mercado elevada durante a maior parte do terceiro trimestre.

A receita de negociação de títulos no principal banco de Wall Street, o JPMorgan, caiu no terceiro trimestre. A receita total do Morgan Stanley subiu 7,3%, para US$ 9,87 bilhões.
O lucro líquido atribuível ao Morgan Stanley avançou para US$ 2,11 bilhões, ou US$ 1,17 por ação, no terceiro trimestre encerrado em 30 de setembro, ante US$ 1,78 bilhão, ou US$ 0,93 por ação, um ano atrás. Os analistas esperavam US$ 1,01 por ação, de acordo com dados I/B/E/S da Refinitiv.

Goldman Sachs – O Goldman Sachs também informou ontem que seu lucro líquido no terceiro trimestre avançou a US$ 2,52 bilhões, ou US$ 6,28 por ação, acima da previsão de US$ 5,38 por ação dos analistas consultados pela Refinitiv. A receita cresceu a US$ 8,65 bilhões. Em igual período de 2017, o lucro havia sido de US$ 2,13 bilhões e a receita, de US$ 8,33 bilhões.

O banco americano conseguiu cortar custos e também aproveitou o corte de tributos ocorrido nos Estados Unidos no ano passado. O balanço é o último da companhia sob o comando de Lloyd Blankfein, que estava como executivo-chefe desde 2006 e saiu em 1º de agosto, substituído por David Solomon. (Reuters/AE)