DA REDAÇÃO O calendário audiovisual brasileiro começa no próximo dia 18 com a 22ª Mostra de Cinema de Tiradentes.Ao longo de nove dias, serão exibidos 108 filmes (28 longas, dois médias e 78 curtas-metragens), em 49 sessões e 30 debates e encontros, além de performances artísticas, oficinas, lançamentos de livros e apresentações musicais. Com vasta programação gratuita, as atividades mobilizam a cidade histórica e ocupam três importantes espaços locais: o Largo da Rodoviária, que recebe a instalação do Complexo de Tendas - que inclui o Cine-Tenda e o Sesc Cine-Lounge; o Largo das Fôrras, que recebe o Cine-Praça; e a Praça de Convivência, no Centro Cultural Sesiminas Yves Alves, que, além de ser a sede do evento, recebe a programação de debates e filmes no Cine-Teatro.  A abertura, na noite do dia 18, homenageia a atriz, dramaturga e diretora mineira Grace Passô. A cerimônia exibe, em estreia mundial, o média-metragem “Vaga Carne”, uma coprodução assinada pela Universo Produção, EntreFilmes e Grãos de Imagem, dirigida por Grace Passô e Ricardo Alves Jr. O encerramento da Mostra será com outro trabalho mineiro, o longa “Os Sonâmbulos”, de Tiago Mata Machado, no próximo dia 26, às 20h. A partir do desejo de valorizar a presença física, tanto no interior de uma sala de cinema quanto no espaço público e também como projeção do futuro, a curadoria da Mostra, coordenada por Cleber Eduardo, definiu “Corpos Adiante” como temática desta edição. A curadoria buscou encontrar, tanto nas representações estéticas do audiovisual quanto nos acontecimentos recentes do noticiário brasileiro e mundial, as relações possíveis entre corpos que ocupam os espaços que o tempo contemporâneo lhes oferece e, muitas vezes, tenta lhes atribuir. Além de “Vaga Carne”, média-metragem dirigido por Grace Passô em parceria com Ricardo Alves Jr, o público poderá conferir o trabalho da atriz nos filmes da Mostra Homenagem “Temporada”, de André Novais Oliveira, e “Elon não Acredita na Morte”, de Ricardo Alves Jr, e na performance teatral inédita “Grão da Imagem”, na qual Grace descreve cenas reais e cinematográficas, tentando fazê-las visíveis sem projetá-las no espaço. Na programação de longas e médias-metragens serão exibidos 30 títulos em pré-estreia (28 longas e dois médias), divididos em sete seções temáticas (Aurora, Olhos Livres, Homenagem, Corpos Adiante, Praça, Mostrinha e Valores), mais os filmes de encerramento. Os filmes vêm de nove estados: Rio de Janeiro (7), São Paulo (6), Minas Gerais (5), Ceará (3), Bahia (2), Acre (2), Goiás (2), Pernambuco (2) e Paraíba (1). As sessões da Mostra Praça, pela terceira vez, serão seguidas de bate-papo dos diretores e diretoras com o público presente, numa aproximação ao ar livre que vem dando muito certo desde 2017. Para este ano, a curadoria buscou títulos que se relacionassem com o cenário atual da política e da sociedade brasileira. A curadora Lila Foster detalha: “Foi pensando na necessidade urgente de afirmarmos conquistas que os cinco filmes selecionados trazem a afirmação de lutas e formas de resistência. São batalhas vividas no cotidiano, na esfera íntima e no coletivo, na defesa da fabulação e do sonho, na investigação da ancestralidade, na firme presença do corpo negro e na constante defesa de direitos adquiridos”. Os longas são “Bando, um Filme de” (BA), de Thiago Gomes e Lázaro Ramos; “Clementina” (RJ), de Ana Rieper; “Empate” (AC), de Sérgio de Carvalho; “Meu Nome é Daniel” (RJ), de Daniel Gonçalves; e “Para’í” (SP), de Vinicius Toro. Para as sessões de encerramento, no dia 26 de janeiro, dois títulos estarão em pré-estreia: “Depois da Farsa”, com direção coletiva de Cristiano Burlan, Dellani Lima, Frederico Machado e Taciano Valério; e “Os Sonâmbulos”, de Tiago Mata Machado – filmes que, para a curadora Lila Foster, são diferentes em quase tudo, mas se complementam - Foto: Léo Lara/Universo Reprodução

O calendário audiovisual brasileiro começa no próximo dia 18 com a 22ª Mostra de Cinema de Tiradentes.Ao longo de nove dias, serão exibidos 108 filmes (28 longas, dois médias e 78 curtas-metragens), em 49 sessões e 30 debates e encontros, além de performances artísticas, oficinas, lançamentos de livros e apresentações musicais.

Com vasta programação gratuita, as atividades mobilizam a cidade histórica e ocupam três importantes espaços locais: o Largo da Rodoviária, que recebe a instalação do Complexo de Tendas – que inclui o Cine-Tenda e o Sesc Cine-Lounge; o Largo das Fôrras, que recebe o Cine-Praça; e a Praça de Convivência, no Centro Cultural Sesiminas Yves Alves, que, além de ser a sede do evento, recebe a programação de debates e filmes no Cine-Teatro.
 

A abertura, na noite do dia 18, homenageia a atriz, dramaturga e diretora mineira Grace Passô. A cerimônia exibe, em estreia mundial, o média-metragem “Vaga Carne”, uma coprodução assinada pela Universo Produção, EntreFilmes e Grãos de Imagem, dirigida por Grace Passô e Ricardo Alves Jr.

O encerramento da Mostra será com outro trabalho mineiro, o longa “Os Sonâmbulos”, de Tiago Mata Machado, no próximo dia 26, às 20h.

A partir do desejo de valorizar a presença física, tanto no interior de uma sala de cinema quanto no espaço público e também como projeção do futuro, a curadoria da Mostra, coordenada por Cleber Eduardo, definiu “Corpos Adiante” como temática desta edição. A curadoria buscou encontrar, tanto nas representações estéticas do audiovisual quanto nos acontecimentos recentes do noticiário brasileiro e mundial, as relações possíveis entre corpos que ocupam os espaços que o tempo contemporâneo lhes oferece e, muitas vezes, tenta lhes atribuir.

Além de “Vaga Carne”, média-metragem dirigido por Grace Passô em parceria com Ricardo Alves Jr, o público poderá conferir o trabalho da atriz nos filmes da Mostra Homenagem “Temporada”, de André Novais Oliveira, e “Elon não Acredita na Morte”, de Ricardo Alves Jr, e na performance teatral inédita “Grão da Imagem”, na qual Grace descreve cenas reais e cinematográficas, tentando fazê-las visíveis sem projetá-las no espaço.

Na programação de longas e médias-metragens serão exibidos 30 títulos em pré-estreia (28 longas e dois médias), divididos em sete seções temáticas (Aurora, Olhos Livres, Homenagem, Corpos Adiante, Praça, Mostrinha e Valores), mais os filmes de encerramento. Os filmes vêm de nove estados: Rio de Janeiro (7), São Paulo (6), Minas Gerais (5), Ceará (3), Bahia (2), Acre (2), Goiás (2), Pernambuco (2) e Paraíba (1).

As sessões da Mostra Praça, pela terceira vez, serão seguidas de bate-papo dos diretores e diretoras com o público presente, numa aproximação ao ar livre que vem dando muito certo desde 2017. Para este ano, a curadoria buscou títulos que se relacionassem com o cenário atual da política e da sociedade brasileira.

A curadora Lila Foster detalha: “Foi pensando na necessidade urgente de afirmarmos conquistas que os cinco filmes selecionados trazem a afirmação de lutas e formas de resistência. São batalhas vividas no cotidiano, na esfera íntima e no coletivo, na defesa da fabulação e do sonho, na investigação da ancestralidade, na firme presença do corpo negro e na constante defesa de direitos adquiridos”. Os longas são “Bando, um Filme de” (BA), de Thiago Gomes e Lázaro Ramos; “Clementina” (RJ), de Ana Rieper; “Empate” (AC), de Sérgio de Carvalho; “Meu Nome é Daniel” (RJ), de Daniel Gonçalves; e “Para’í” (SP), de Vinicius Toro.

Para as sessões de encerramento, no dia 26 de janeiro, dois títulos estarão em pré-estreia: “Depois da Farsa”, com direção coletiva de Cristiano Burlan, Dellani Lima, Frederico Machado e Taciano Valério; e “Os Sonâmbulos”, de Tiago Mata Machado – filmes que, para a curadora Lila Foster, são diferentes em quase tudo, mas se complementam.