DEER/mg

As obras de reforma da pista do Aeroporto Regional do Vale do Aço, conhecido como aeroporto de Ipatinga, foram finalizadas pelo governo do Estado e entregues ontem.

Ainda assim, as operações no aeródromo, que estão interrompidas há quase dois meses, não podem ser retomadas, o que depende de autorização da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Segundo a Azul Linhas Aéreas, suas atividades no Vale do Aço voltarão a ocorrer com a liberação da pista pela Anac, sendo que a expectativa é que os voos voltem a ser operados no início de maio.

Em 15 de fevereiro, a Azul anunciou que iria interromper suas atividades no Aeroporto de Ipatinga devido a problemas na pista. Em 19 de fevereiro, o aeródromo foi interditado pela Anac, que informou não ter como garantir se a estrutura oferecia segurança para receber voos.

A Anac informou ontem que a interdição da pista do aeroporto de Ipatinga segue vigente.

“Foi feita uma inspeção aeroportuária especial naquela localidade em fevereiro de 2019, tendo sido encaminhado o relatório oriundo da inspeção para o operador visando à correção das pendências identificadas, que, até o momento, não foram sanadas”, informa nota do órgão.

De acordo com a Secretaria de Estado de Transportes e Obras Públicas (Setop), até o final desta semana será encaminhada à Anac a comprovação de que os problemas no aeródromo foram resolvidos.

As obras entregues ontem são paliativas e foram realizadas pela Setop e Departamento de Edificações e Estradas de Rodagem de Minas Gerais (DEER-MG).

Segundo o governo, as intervenções foram finalizadas antes do prazo previsto. A empresa deu início aos reparos em 19 de março e tinha 30 dias para a conclusão, mas já entregou as obras que incluem fresagem de segmentos da pista; substituição do material de base e reposição da capa asfáltica. Em trechos mais críticos, foram realizadas recomposição da base, da sub-base e reforço da estrutura.

Intervenções definitivas devem ser realizadas pelo governo federal e custarão cerca de R$ 12,5 milhões. Os recursos virão do Fundo Nacional de Aviação Civil (Fnac).

Grupo de trabalho – Secretário de Comunicação da Prefeitura de Ipatinga, Breno Brandão informou que o grupo de trabalho formado para buscar a reabertura do aeroporto se concentrará, a partir de agora, em ajudar a viabilizar a reforma estrutural definitiva para o aeroporto. Tal grupo tem a participação do poder público e lideranças empresariais.

Há o receio de que as intervenções paliativas não durem até que as obras definitivas estejam prontas, o que pode levar a nova interrupção das operações.

De acordo com a Setop, a restauração do pavimento no Aeroporto de Ipatinga foi realizada para ser resiliente e proporcionar a máxima segurança às operações, não havendo data de validade predefinida para a obra.

Além disso, foi informado que já tiveram início as tratativas para celebração do instrumento de repasses de recursos junto ao governo federal.

“A Setop está tomando todas as providências cabíveis para que as operações aéreas não sejam novamente interrompidas”, informou o órgão.

O Aeroporto de Ipatinga está sob responsabilidade do Estado, mas é administrado pela empresa Socicam. Antes de interromper suas operações, a Azul fazia quatro voos diários entre Ipatinga e Belo Horizonte, com malha reduzida aos finais de semana.

Segundo Breno Brandão, a interdição do aeroporto causa grande prejuízo para a região, que concentra indústrias como Usiminas, Cenibra, Aperam e ArcelorMittal. Ele informou que, desde a interrupção de suas atividades, a Azul tem disponibilizado vans para levar passageiros até o aeroporto mais próximo, em Governador Valadares. Mas, segundo Brandão, a viagem dura cerca de uma hora e vinte minutos. “É muito tempo que se perde”, diz.