Alexandre Veiga destaca cenário de inflação e juros no País - Foto: Magé Monteiro/Divulgação

O ano de 2019 começou com otimismo no Grupo Patrimar, construtora mineira que planeja quase dobrar o número de lançamentos, em relação ao ano passado. A expectativa é que os empreendimentos previstos para este ano gerem um valor geral de vendas (VGV) de R$ 1 bilhão e que o grupo encerre 2019 com 20% de crescimento na receita, em relação a 2018.

O presidente do Grupo Patrimar, Alexandre Veiga, explica que o otimismo é resultado de vários fatores, sendo o principal a expectativa de retomada da economia do País. “Nosso apetite por investimento está associado a um cenário de inflação e juros baixos. Há muitos anos que esses dois fatores não coincidiam de forma a nos beneficiar”, destaca. Além disso, o executivo destaca que a crise gerou uma demanda reprimida e que, agora, esse consumo deverá finalmente acontecer.

“É claro que a crise afetou nosso mercado e os lançamentos diminuíram muito, mas de 2014 para cá as pessoas não deixaram de se casar, de ter filhos e nem de se separar. Agora, toda essa demanda reprimida deve vir à tona”, aposta. Outro fator que motiva o executivo é a regulamentação, no fim do ano passado, da situação do distrato, no caso de venda de imóveis na planta. Segundo Veiga, até então, a Justiça não era clara em relação aos clientes que se comprometiam com a compra do imóvel e, mais tarde, desistiam do investimento.

“As pessoas entravam na Justiça e as decisões eram variadas. Agora, no nosso caso, o comprador que fizer o distrato perde 50% do que pagou, o que dificulta a desistência e diminui nosso risco”, afirma. Segundo ele, o Grupo Patrimar pretende lançar, este ano, nove empreendimentos, sendo quatro no alto padrão, quatro no padrão econômico e um no médio padrão. “Voltamos a fazer lançamento no médio padrão depois de quatro anos sem atuar nesse segmento. Isso porque os padrões alto e econômico sofreram menos com a crise, se comparados ao médio padrão”, diz.

Empreendimentos – Entre os empreendimentos previstos para este ano estão duas torres do condomínio La Reserve, localizado no Vila da Serra, em Nova Lima, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. As torres terão apartamentos de 300 e 400 metros quadrados e devem gerar VGV de aproximadamente R$ 314 milhões. Além disso, o grupo deve lançar empreendimentos na região Centro-Sul de Belo Horizonte nos bairros Savassi e Santo Antônio. Os imóveis do padrão econômico serão construídos principalmente no Rio de Janeiro, onde o grupo também atua.