Malab: vamos reduzir a sazonalidade do fluxo turístico - Foto: Luiza Villaroel

DANIELA MACIEL

No aniversário de 121 anos da Capital, dia 12, a Prefeitura de Belo Horizonte (PBH), por meio da Empresa Municipal de Turismo (Belotur), lançou o Programa 4 Estações – uma plataforma de promoção e estruturação da oferta turística da cidade.


O objetivo da plataforma, que se materializa em um novo site turístico e um aplicativo (BH Surpreendente, já disponível gratuitamente nas lojas de aplicativos), é apresentar Belo Horizonte como uma cidade atraente, promovendo seus atrativos e eventos agrupados em estações climáticas.
De acordo com o presidente da Belotur, Aluizer Malab, o sucesso do Carnaval, especialmente na última edição, deu a chave para a construção da estratégia que complementa o novo posicionamento da cidade – “BH Surpreendente” -, lançado no ano passado.


“Quando chegamos (2016), faltavam menos de dois meses para o Carnaval. Íamos fazer um evento gigante que não tínhamos organizado, mesmo assim conseguimos melhorar todos os indicadores. A partir dali começamos a pensar porque não poderíamos ter aquela efervescência todos os meses do ano. Foi daí que surgiu a ideia das estações, aproveitando grandes eventos que já existem como âncoras”, explica Malab.


A ideia é organizar o calendário, diminuindo a sazonalidade do fluxo turístico, mostrando que a cidade pode ser surpreendente o ano todo. O verão é apresentado como uma temporada de festa e arte encabeçada pelo Carnaval. No outono serão celebrados a gastronomia e o encontro. No inverno, destaque para a tradição e a pluralidade, com eventos como o Arraial de Belo Horizonte e a Parada LGBT. E, na primavera, ganham luz a as programações que prezam pela inovação e criatividade.


“A cidade é viva e já tem um fluxo de atrações que continuará sendo apoiado e promovido”, destaca o presidente da Belotur.


Segundo o CEO da Midia Code – empresa responsável pelo desenvolvimento do aplicativo -, Robson Lisboa, apesar de ser chamado aplicativo, o BH Surpreendente é uma metaplataforma que tem como foco não apenas turistas e empreendedores mas, principalmente, a própria população. “É para o belo-horizontino descobrir e curtir bastante a cidade. As pessoas vão conhecer aspectos peculiares dos lugares através de geolocalização. Todos os eventos e promoções da cidade vão convergir através do aplicativo, ele é um canal para divulgar eventos, atrativos, números do turismo e fazer capacitação”, afirma Lisboa.


Além da estruturação da promoção turística, o Programa 4 Estações tem como base cinco eixos estratégicos para a organização das suas ações: captação, promoção, integração, capacitação e fomento.


Para captar recursos, a PBH vai utilizar o Fundo Municipal de Turismo como ferramenta. A promoção vai se preocupar com a constante atualização da oferta turística e sugestão de roteiros, além de projetos de divulgação com embaixadores eu próprio aplicativo da cidade. Tudo isso, buscando a integração e alinhamento da Belotur com órgãos e entidades em nível estadual e federal.


“Ainda não conversamos com o futuro ministro de Turismo [Marcelo Álvaro Antônio (PSL), deputado mineiro indicado para ministro do Turismo do futuro governo], até porque ainda o mandato do atual governo não acabou. Mas vamos procurá-lo tão logo tome posse, para entender quais os planos ele tem para Minas e como Belo Horizonte pode se posicionar dentro dos novos planos”, pontua o gestor.


Estão previstas, ainda, ações de capacitação para públicos estratégicos e consultoria para estímulo a novos projetos. As ações de fomento terão como foco quatro editais de subvenção, uma para cada estação do ano, edital de parcerias e apoio institucional. Já está aprovado o valor de R$ 1 milhão por estação para subvenção de eventos com potencial turístico.


Ontem (13) foi publicado no Diário Oficial do Município (DOM) o primeiro desses editais para a subvenção para Eventos – Estação Verão, com o objetivo principal de apoiar a realização de eventos de potencial turístico para qualificar, ampliar e diversificar a oferta e o calendário da cidade. Até 26 eventos receberão auxílio financeiro, com cotas nos valores de R$ 100 mil, R$ 50 mil e R$ 25 mil. Podem participar pessoas jurídicas domiciliadas em Belo Horizonte, com propostas de eventos técnico-científicos, culturais, sociais, religiosos, esportivos e de lazer.