Agropecuária novamente impulsionou os resultados no Estado e cresceu 5,7% no ano passado. Créditos: Divulgação

O Produto Interno Bruto (PIB) de Minas Gerais somou R$ 598,5 bilhões em 2018. O número indicou aumento de 1,2% ao observado um ano antes, quando a soma das riquezas produzidas no Estado chegaram a R$ 568,1 bilhões. Mais uma vez, a agropecuária puxou o desempenho frente a 2017, seguida pelo setor de serviços. Já a indústria apresentou o pior resultado.

Os dados foram levantados pela Fundação João Pinheiro (FJP) e integram a pesquisa Indicadores – PIB Trimestral de Minas Gerais – referente ao quarto trimestre de 2018.

Segundo a entidade, o resultado foi ligeiramente superior ao crescimento de 1,1% estimado para a economia brasileira no decorrer do ano passado. Tanto para o Estado quanto para o País, os dados indicam que a recuperação iniciada no primeiro trimestre de 2017 perdeu fôlego ao longo de 2018, ameaçando retroceder ou estagnar.

Do total da produção de riquezas de Minas em valores correntes (R$ 598,5 bilhões), R$ 524,2 bilhões foram referentes ao Valor Adicionado (VA) e R$ 74,2 bilhões aos impostos indiretos sobre produtos líquidos de subsídios. Vale destacar que a agropecuária somou R$ 28,1 bilhões; a indústria, R$ 135,3 bilhões; e os serviços R$ 360,8 bilhões.

Assim, a participação dos grupos de atividades no total do valor adicionado ficou assim dividida: serviços 60,2%, indústria 22,6% e agropecuária 4,69%.

Nas atividades do setor de serviços, o crescimento acumulado do VA em 2018 foi de 1,3% em Minas Gerais. Entre essas atividades, houve expansão de 2,4% no índice de volume do VA de comércio e de 1,2% no agregado de “outros serviços”.

Por outro lado, houve retração de -1,2% no produto real dos serviços de transporte, armazenamento e correio, e de -0,4% na administração pública.

O setor agropecuário também contribuiu positivamente para o desempenho econômico de Minas Gerais. Na comparação com o volume real do VA de 2017, o resultado acumulado em 2018 foi 5,7% superior, influenciado principalmente pelo aumento da produção de café, soja e leite.

Na indústria, o VA estimado para 2018 em Minas Gerais foi -0,3% menor em termos reais, na comparação com 2017. Esse resultado ocorreu apesar da variação positiva entre as atividades manufatureiras, responsáveis pela geração de cerca de 55% do total do VA industrial no Estado.

O acréscimo de 0,9% no volume de VA da indústria de transformação também não foi suficiente para compensar as retrações estimadas em -4,1% nas utilidades públicas (água e eletricidade, principalmente); -2,0% nas indústrias extrativas; e -0,4% na construção.

Trimestre – Quando considerado apenas o último trimestre do ano passado, o PIB de Minas Gerais apresentou uma pequena variação positiva, de 0,2% em termos reais, na comparação com o trimestre imediatamente anterior na série com ajuste sazonal.

Houve retração de -2,8% no setor agropecuário do Estado, enquanto o VA da indústria estadual caiu 0,9% e no setor de serviços também houve variação negativa, de -0,3%.