A área de diagnóstico por imagem é um dos eixos estratégicos do grupo / Foto: Divulgação

Seguindo o plano estratégico de crescimento e as tendências do mercado de medicina diagnóstica, o grupo São Marcos tem impulsionado os investimentos nos últimos anos. Em 2018, o total de aportes do grupo foi de R$ 40 milhões, cerca de 15% da receita da empresa, estimada em R$ 260 milhões neste ano. As aquisições, a diversificação dos serviços, a reestruturação e modernização das unidades físicas e a compra de novos equipamentos são os principais destinos dos recursos investidos neste ano.

Apesar dos reflexos da crise econômica, o setor de medicina diagnóstica tem crescido no Brasil, como mostram as projeções do Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS). A expectativa é que a demanda por exames mais que dobre no País entre 2015 e 2030. O superintendente de novos negócios da empresa, Gustavo Araújo, ressalta que o principal foco dos investimentos neste ano foram as aquisições.

Até o momento, o grupo São Marcos adquiriu a clínica de imagem Martins e Godoy, no Vetor Norte de Belo Horizonte e a projeção para o fim do ano é de abertura de outras quatro unidades da marca na RMBH, totalizando 75. Foram adquiridos também neste ano o laboratório e clínica de imagem LabHormon, no ABC Paulista e o PhD Patologia Cirúrgica e Molecular, na capital paulista.

Pesquisa da Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica (Abramed) publicada em julho mostrou que, no ano passado, as empresas do segmento investiram, em média, 9,4% de suas receitas brutas, com foco na área de tecnologia. Araújo confirma que o grupo vai atingir e deve ultrapassar esse patamar de investimentos neste ano.

“Além das aquisições de empresas, tivemos investimentos em equipamentos de imagem e na reformulação das unidades de operação. Isso faz com que a gente supere a média nacional de 9% de investimentos sobre a receita bruta total do grupo”, afirmou.

Diagnóstico por imagem –A ampliação e fortalecimento da área de diagnóstico por imagem é um dos eixos estratégicos do grupo São Marcos. Aportes de R$ 4 milhões destinados à modernização da estrutura tecnológica foram feitos neste ano, principalmente no ABC Paulista, com a aquisição de novos equipamentos de ultrassom, mamografia,  densitometria óssea, além da inauguração da primeira ressonância magnética.

Segundo Gustavo Araújo, as principais linhas de investimento do grupo para o ano que vem estão voltadas para o diagnóstico de imagem também em Belo Horizonte. “É uma estratégia do grupo desde a primeira aquisição de uma empresa de imagem no ano passado e neste ano consolidamos com novas aquisições. O planejamento é, de fato, se estabelecer na área de imagens por ser um segmento de exames que faz frente ao nosso carro-chefe que é de análises clínicas”, completou.

Expansão – Iniciado em 2016, o plano de expansão do grupo São Marcos tem como meta fazer com que a empresa se posicione entre os cinco maiores players do mercado até 2021. A diversificação dos serviços, reforçada pelas recentes aquisições, além da intensificação dos serviços Business to business (B2B), com a prestação de serviços laboratoriais do São Marcos para outros laboratórios do País, são as ações mais efetivas para alcançar esse objetivo na avaliação de Gustavo Araújo.

“O processo M&A de aquisição é uma das estratégias de crescimento para consolidar nosso serviço no cenário nacional. Outro foco é o B2B, com um mercado em expansão por meio do qual pretendemos alcançar um share significativo de participação no segmento de diagnósticos e nos destacar como uma das maiores empresas”, concluiu.