Na preferência estão as cafeterias, restaurantes, fábrica de pão de queijo, confeitaria e congelados - CRÉDITO: DIVULGAÇÃO

A combinação pão de queijo e café é tão irresistível que é campeã até mesmo no momento de empreender. Levantamento realizado pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas em Minas (Sebrae Minas) mostra que as informações mais procuradas no primeiro semestre deste ano, no Estado, foram aquelas relacionadas a negócios alimentícios. Essas atividades ocuparam as cinco primeiras colocações dentro das opções do programa Ponto de Partida, que oferece orientações iniciais aos interessados.

No primeiro lugar no ranking estão as cafeterias, seguidas de restaurantes, fábrica de pães de queijo, confeitaria e fábrica de alimentos prontos congelados. Completam a lista dos dez mais procurados: pet shop; loja de roupas; construtora; supermercado/mercearia e fábrica de produtos de chocolate.

Segundo a analista do Sebrae Minas, Viviane Soares, negócios tradicionais, como o ramo de alimentação, cabeleireiros e lojas de roupas, normalmente têm alta demanda de informações. “As pessoas têm a ilusão de que não faltarão clientes para esses segmentos, já que todo mundo come, vai ao salão e se veste”, diz.

Entretanto, ela alerta que em num cenário de recessão, as pessoas encontram um substituto para esses produtos e serviços, o que pode frustrar algumas expectativas dos empreendedores. “Só o fato de abrir o negócio nesses ramos não é garantia de sucesso. São necessários planejamento, controle gerencial, capacitação”, diz.

O mesmo levantamento do Sebrae Minas indicou que as buscas por informações do programa Ponto de Partida cresceu bastante no primeiro semestre em relação a igual período de 2017. Houve aumento de 68% no número de download das publicações de um ano para o outro: foram 13,4 mil acessos de janeiro a julho de 2018, contra 9,1 mil nos seis primeiros meses do ano passado.

Na avaliação de Viviane Soares, esse aumento mostra preocupação das pessoas em se informar antes de dar início a um negócio. Além disso, indica ainda o cenário de crise, com as pessoas tendo dificuldade de recolocação no mercado de trabalho e buscando o empreendedorismo como alternativa de renda.

A analista explica que o programa Ponto de Partida oferece informações básicas para quem quer começar a empreender, trabalhando com cinco passos. O primeiro deles é o perfil do empreendedor. Em seguida vem a busca da oportunidade, verificando alternativas de negócios. O terceiro item trata das exigências legais. O quarto passo é sobre a implantação do negócio. Por fim, o programa trata da gestão. O Ponto de Partida é formado por cerca de 250 cartilhas que estão disponíveis no site do Sebrae Minas.

Viviane Soares reforça que a busca por informações é primordial para quem tem interesse em abrir o próprio negócio. Como exemplo, ela cita que não é indicado uma pessoa empreender no ramo de alimentos, sem nunca ter cozinhado e não tem qualquer afinidade com o preparo das comidas. Por outro lado, também não resolve nada a pessoa ser uma grande cozinheira, mas descuidar da gestão.