Setor eletroeletrônico aumentou 2.093 vagas de emprego no primeiro mês de 2019, de acordo com dados divulgados pelo Caged - Alisson J. Silva

Empresários ligados ao setor eletroeletrônico deram início a 2019 com expectativas positivas. De acordo com levantamento nacional da Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee), 51% das empresas pretendem ampliar os investimentos em 2019. E, segundo o diretor regional da Abinee em Minas, Alexandre Freitas, o empresariado mineiro também acompanha essa tendência, amparado principalmente no avanço do setor de petróleo e gás. No Estado, o problema é o impacto causado pela desaceleração da mineração e siderurgia após a tragédia da Vale, em Brumadinho, Região Metropolitana de Belo Horizonte, que resultou em ao menos 193 mortes e deixou 115 desaparecidos.

No cenário nacional, segundo Freitas, a expectativa de investimento em infraestrutura anima o setor. “O setor eletrônico vem apresentando números positivos mesmo com a crise. Mas o segmento dos elétricos é bastante dependente de investimentos do governo e privado”, explica.

“Estamos trabalhando muito junto ao governo para liberar novas instalações de antenas de celular, o que possibilita a ampliação do sistema de telefonia móvel e, consequentemente, melhora a criação de emprego e o faturamento para o setor”, exemplifica.

Freitas informa que, com o possível incremento de aportes em infraestrutura, o setor deve registrar crescimento este ano, após ter quedas em 2015, 2016 e 2017, e estabilidade em 2018. Segundo a sondagem da Abinee, para o ano de 2019, 85% dos empresários entrevistados disseram esperar crescimento; 14% aguardam estabilidade; e 1% prevê queda.
O diretor regional da Abinee considera que, como os resultados ainda dependem de muitas variáveis, o setor ainda não projetou um percentual de crescimento. Os indicadores econômicos apontam avanço do Produto Interno Bruto (PIB) de 3% e do PIB da indústria de 4%.

Como ponto favorável neste início de 2019, Alexandre Freitas cita que o setor eletroeletrônico aumentou 2.093 vagas de emprego no mês de janeiro de 2019, tendo como base o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). No País, a indústria eletroeletrônica iniciou o ano com 234,3 mil trabalhadores diretos. A melhora ocorre após novembro e dezembro de 2018 terem registrado perdas. Ainda assim, os números são tímidos e ficaram abaixo do atingido em janeiro de 2018, quando o total de funcionários chegou a 236,9 mil funcionários.

Leia também:

Investimentos vão marcar 1º semestre

Brumadinho – No cenário mineiro, segundo Freitas, as expectativas são positivas, mas com cautela. Isso ocorre principalmente devido à tragédia provocada pelo rompimento da barragem da Vale em Brumadinho. “Esse problema reflete na contratação de novos serviços e investimentos, levando à estagnação das empresas que trabalham especificamente para esse setor”, diz. E ele pondera que o impacto negativo atinge ainda o setor siderúrgico, que também é importante para o ramo eletroeletrônico.

Já o setor de petróleo e gás ampara a expectativa positiva. “O governo sinaliza com a retomada de projetos consideráveis para esse setor, com isso a expectativa do empresariado do segmento eletroeletrônico é bastante elevada. Tais investimentos podem puxar toda a cadeia de fornecimento”, explica.

Alexandre Freitas informa ainda que a expectativa positiva também vem do Vale da Eletrônica, de Santa Rita do Sapucaí, no Sul de Minas, amparada principalmente na inovação. “Essa é uma moeda necessária ao crescimento em qualquer área”, pondera.

Segundo panorama setorial divulgado pela Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg), o segmento de equipamentos eletrônicos em Minas, em 2017, reunia 370 empresas, que geraram 11.996 empregos. Em 2017, esse segmento gerou R$ 216,82 milhões em ICMS, sendo que, em 2018, o valor foi de R$ 214,58 milhões, ou seja, queda de 1,04%.

Já o setor de máquinas e material elétrico contava, em 2017, com 457 empresas e 14.950 funcionários. A geração de ICMS chegou a R$ 353,7 milhões em 2017, passando para R$ 351,73 milhões no ano passado, redução de 0,56%.