Harlen Duque reforçou que as 10 iniciativas resumem os anseios maiores do setor - Créditos: Filipe Rhodes

A Sucesu Minas apresentou ao governo mineiro um manifesto com os principais pontos a serem considerados no programa estadual de tecnologia.

O objetivo é tornar as empresas mineiras mais competitivas para fornecer soluções de ponta, as empresas consumidoras de tecnologia igualmente competitivas em seus mercados e, assim, a vida da população melhor.

A entrega do Manifesto Sucesu Minas aconteceu durante o evento CIO Experience, que contou com a presença do subsecretário de Ciência, Tecnologia e Inovação, Victor Becho.

Valorizar a aquisição de tecnologia mineira por meio da concessão de incentivos, priorizar junto ao BDMG linhas de crédito para produtos e serviços inovadores, estabelecer parcerias com as entidades que fomentam a TI no Estado, como a Sucesu, a Fumsoft e a Assespro, bem como reestabelecer um programa de incentivo a startups de tecnologia foram alguns dos tópicos abordados.

Ao fazer a leitura do documento, o presidente da Sucesu Minas, Harlen Duque, reforçou que as 10 iniciativas resumem os anseios maiores do setor.

“Estamos certos de podermos vir a trabalhar juntos por um Estado de Minas Gerais melhor e preparado para um mundo tão inovador quanto desafiador”, disse.

“Temos ainda a expectativa de caminhar para manter um mercado na área de tecnologia mais sinérgico, mais colaborativo entre o Estado e a iniciativa privada. Além disso, queremos facilitar para o empreendedor, ter um processo mais simples para criar uma empresa, com menos carga tributária”, completou o presidente da Sucesu Minas.

O subsecretário de Ciência, Tecnologia e Inovação, Victor Becho, afirmou que os 10 itens do Manifesto retratam bem o que percebeu nos cem dias de governo e o que está ouvindo no mercado. Becho fez uma apresentação inédita do planejamento macro do Estado para os participantes do evento, os grandes players do setor, que juntos somam 70% do PIB mineiro.

Segundo o subsecretário, se por um lado Minas Gerais vive uma instabilidade fiscal muito grande, por outro é o terceiro Estado em potencial de atração de investimentos.

“Somos muito bem posicionados na geração de startups e de empreendedores. Terceiro lugar em intensidade. Quatro municípios do Estado estão entre os top 20 em números de startups. Temos que aproveitar esse potencial”, ressalta.

Becho afirma que “a ideia é trazer para dentro do ecossistema de inovação empresas, investidores e pesquisas, para que tenhamos as cadeias produtivas e o investimento regional que a gente precisa, municiando os desafios, o mercado consumidor e a atração de investimentos.

Para isso, precisamos que exista uma base para as profissões do setor no futuro, sendo estruturada desde a formação das crianças, e de um ambiente regulamentado, desburocratizado e com parcerias e incentivo à inovação. E, tudo isso, com o governo atuando como orquestrador por meio do Sistema Mineiro de Inovação”.

Diretrizes macro do plano da Sedectes:

• Criar ecossistema regional com base nos desafios da nossa economia;
• Criar condições jurídicas regulatórias, estruturantes, tributárias e fiscais;
• Criar política para atração e retenção de empresas de alto valor agregado;
• Estabelecer um ambiente de cooperação baseado em suas vocações;
• Direcionar recursos para quem transforma tecnologia em produto, medir a convenção. (Business Case);
• Atrair Capital de Risco;
• Fomentar os ciclos de inovação cobrando entregas efetivas. Efetivação de negócios em Minas Gerais;
• Fomentar a transformação de startups em cases de sucesso;
• Estruturar o Banco de Startups – facilitar acessos aos investidores.