De acordo com a Amis, para este ano, a expectativa é de abertura de 70 lojas no Estado, com geração de 7.300 empregos - CREDITO:ALISSON J. SILVA

Os supermercados de Minas Gerais fecharam 2018 com alta de 2,98% no faturamento, que alcançou R$ 35,8 bilhões. Esse é o melhor resultado desde 2014, conforme divulgado ontem pela Associação Mineira de Supermercados (Amis). Além disso, o índice ficou acima do aumento projetado para o período, que era de 2,8%. Para 2019, a Amis espera crescimento ainda mais robusto, de 4%, com o faturamento chegando a R$ 37,2 bilhões. Atualmente, o setor mineiro conta com 7.242 lojas, que geram 197.686 empregos.

Para este ano, a projeção é de abertura de 70 unidades, com geração de 7.300 empregos e investimento de R$ 520 milhões. Em 2018, a abertura de novas lojas também superou as expectativas da Amis. No início do ano, a projeção era de inauguração de 60 lojas, mas esse número chegou a 69, com investimento de R$ 514 milhões e criação de 7.286 postos de trabalho.

De acordo com o superintendente da Amis, Antônio Claret, a projeção positiva para 2019 se ampara na mudança de governo e nas medidas anunciadas, como as reformas estruturantes, que podem estimular investimentos.

Já os resultados do ano passado são atribuídos à estabilidade da inflação e juros, além da ligeira melhora nos índices de emprego. “Houve uma melhoria da expectativa com a mudança de governo. Há ainda a ação do próprio setor, de buscar entender o consumidor, trabalhando melhor o mix de produtos de acordo com a localização das lojas”, diz.

A alta nas vendas em 2018 foi puxada principalmente pelo interior do Estado. O melhor resultado foi registrado na Zona da Mata, com alta de 7,67% no acumulado de 2018. Depois veio o Triângulo Mineiro, com incremento de 7,44%. Em seguida, estão Sul (+4,68); Rio Doce/Jequitinhonha (+3,34); Centro-Oeste (+3,08%) e Central (+1,39%). Apenas a região Norte/Noroeste teve queda, com retração de 2,56%.

Segundo Claret, o setor atravessou os anos de recessão sem resultados negativos. Em 2012 e 2013, antes da crise, foram apresentadas altas, respectivamente, de 4,96% e 4,93%. Em 2014, o faturamento subiu 1,35%; em 2015, a elevação foi de 0,7%; em 2016, de 1,05%; e, em 2017, de 2,29%, chegando em 2018 a 2,98%.

Leia também:

Modelo express deve ganhar espaço

Receita com alimentos chega a R$ 656 bilhões no País

Natal – Os resultados do Natal também foram positivos, mas ficaram um pouco aquém do esperado. Na relação dezembro de 2018/dezembro de 2017, houve alta de 2,46%, sendo que o esperado era aumento de 2,5%. Na avaliação de Claret, o impacto negativo veio do não pagamento do 13º salário do funcionalismo público. Além disso, pode ter havido interferência da Black Friday, que ocorre em novembro e vem ganhando espaço, ano a ano, no setor supermercadista.

Na passagem de novembro para dezembro, foi registrada alta de 21,96% nas vendas dos supermercados mineiros. Segundo Claret, esse índice está dentro do esperado para a época, que concentra as festas natalinas e de Réveillon.