Santos: viagem buscou ampliar conhecimentos e fazer novos negócios - Crédito:Bruno Lavorato/Divulgação

“O maior aprendizado que levamos para o Brasil é a mudança de perspectiva e do modelo de negócio. Isso significa que ampliamos nosso referencial e, a partir de agora, buscamos outros patamares, sabendo da nossa total capacidade para atuar, inclusive, nos Estados Unidos.” A reflexão é do sócio da Órbita Tecnologia, Leonardo Campos, sobre a estadia na sede da Plug and Play, importante aceleradora do Vale do Silício (EUA). A experiência teve a duração de um mês – entre 14 de novembro e 14 de dezembro – e fez parte da Fase 3 do Conecta, programa de impulso a startups, desenvolvido pela Confederação Nacional do Transporte (CNT), em parceria com o BMG UpTech.

Além da Órbita e da Biosolvit, que estiveram nos Estados Unidos como convidadas, também participaram da aceleração internacional as cinco finalistas do Conecta: Arbache Innovations, ByeBnk, dLieve Tecnologia, Everlog e Trackage. Elas foram selecionadas entre mais de 400 inscritas no programa, no início do ano e, depois, em meio a 25 startups que permaneceram até o final da segunda etapa. “Foi uma oportunidade para conhecer a região mais inovadora do mundo e as principais novidades em tecnologia. Mas, especialmente, a viagem buscou ampliar conhecimentos, desenvolver novas estratégias e fazer novos negócios”, avalia o CEO do BMG UpTech, Rodolfo Santos.

Nesse período, as sete startups do Conecta exploraram toda a estrutura da Plug and Play, receberam mentorias e capacitações, mantiveram contato com outros empreendedores, empresas e grandes fundos de investimentos, como Gerdau, Panasonic e Silicon Valley Bank, além de visitar importantes locais da região, entre eles a Universidade de Stanford e o Apple Park. O encerramento desta etapa aconteceu na International Expo, quando os empreendedores fizeram os pitches finais sobre suas startups.

Retrospecto – O Conecta foi criado com o objetivo de apoiar startups que desenvolvem soluções capazes de contribuir para o incremento da atividade transportadora no Brasil, oportunizando a elas conexões comerciais potenciais com relevantes players do segmento. Trata-se de um dos maiores programas de impulso e investimentos em startups da América Latina. Lançado em março, contou com mais de 400 inscritos.

Destes, 100 startups foram selecionadas e submetidas a entrevistas on-line. Cerca de 40 se classificaram para a Fase 1 (período de tração de um mês, com os primeiros investimentos). Depois, 25 avançaram à Fase 2, que durou, aproximadamente, quatro meses. Nesse tempo, as empresas receberam novos aportes e participaram de treinamentos na Fundação Dom Cabral (FDC), em Belo Horizonte, e de encontros com empresários do setor de transporte. A terceira e última etapa foi a aceleração internacional, em conjunto a mais uma rodada de investimento nas cinco finalistas.

Startups da Fase 3 do Conecta:

Arbache Innovations – Gamificação empresarial em people analytics – https://arbache.com/ – São Paulo
ByeBnk – Soluções financeiras em blockchain – https://byebnk.com/ – Belo Horizonte
dLieve Tecnologia Logística – Plataforma de gestão em tempo real de entregas – https://www.dlieve.com/ – São Paulo
Everlog – Plataforma de gestão de fretes para o embarcador, com foco na recuperação de valores pagos indevidamente – http://everlogbrasil.com.br/ – Vinhedo (SP)
Trackage – Solução IoT com monitoramento inteligente de processos, empilhadeiras, tratores, cargas, frotas e demais ativos industriais – https://www.trackage.com.br/ – Uberaba/MG

Convidadas:

Biosolvit – Absorvedor natural de óleos – http://www.biosolvit.com/ – Rio de Janeiro
Órbita Tecnologia – Visão computacional para indústria 4.0, com uma solução para o modal ferroviário – http://orbitaei.com.br/ – Belo Horizonte