Atualmente, algo em torno de 80% da produção da StickFran no Sul de Minas é voltada para atender ao setor calçadista - Crédito: Divulgação

Com parque industrial instalado em Claraval, no Sul Minas, desde 2014, a StickFran, produtora de componentes destinados principalmente ao segmento calçadista, está ampliando sua atuação após investir R$ 15 milhões desde a sua inauguração. Diretor-geral da empresa, José Luís Borges informou que o objetivo é aumentar a produção em 20% até 2020, com implantação de uma tinturaria. Atualmente, a empresa emprega cerca de 230 funcionários. O reforço nas operações é considerado especialmente importante devido ao fato de Claraval ter apenas 4 mil habitantes. Ou seja, o impacto na geração de empregos é muito significativo.

Segundo José Luís Borges, o incremento das atividades, mesmo num momento de fraco desempenho econômico, está amparado em gestão, redução, custo e diversificação de produtos e mercado, garantindo competitividade. Atualmente, cerca de 80% da produção é voltada para o segmento calçadista, com 10% sendo destinado ao mercado dos PETs e, os outros 10%, para o setor de moda e vestuário. Entre os produtos da StickFran estão elásticos, fitas, zíper e cadarços.

A produção é destinada principalmente a indústrias de calçados. Em Minas, a maior parte dos clientes está em Nova Serrana, no Centro-Oeste, principal polo calçadista do Estado; mas há atendimento a outras cidades, como Guaxupé, Uberaba e Uberlândia. Além disso, boa parte dos produtos segue para Franca (SP), havendo também mercado consumidor nas regiões Sul e Nordeste do País.

O grupo StickFran nasceu em Franca, em 1999, atuando no comércio. Em 2007, a empresa deu início à atividade industrial. No ano de 2014, ocorreu a transferência do parque industrial para Minas, com investimento de R$ 15 milhões e compromisso inicial de geração de 130 empregos. A empresa não revela qual o valor a ser investido na ampliação da produção, mas o número de postos de trabalho está bem acima do previsto e já chegou a 230. No segundo semestre de 2018, a empresa abriu o terceiro turno e, desde então, está funcionando 24 horas por dia.

Segundo Borges, a instalação em Claraval ocorreu após negociações entre a empresa e a Agência de Promoção de Investimento e Comércio Exterior de Minas (Indi). Pesaram a favor da transferência a proximidade da cidade mineira com Franca – as duas cidades ficam a 20 km uma da outra. Além disso, a empresa já contava com vários funcionários que moravam em Claraval e seguiam para a cidade paulista de ônibus.

À época, os empresários compraram uma área de 11 mil metros quadrados em Claraval. Em seguida, houve nova aquisição e essa área soma 17 mil metros quadrados. A empresa objetiva aproveitar esse novo espaço de 6 mil metros quadrados para implantar uma tinturaria e partir para a fabricação de novos produtos.

“A perspectiva da empresa é que, com a aprovação das reformas, a economia do país deslanche. Então usaremos os 6 mil metros quadrados para ampliação da área fabril em pelo menos 20% até 2020”, disse Borges.

Exemplo – Diretor do Indi, João Paulo Braga considera que o exemplo da atuação da StickFran é de grande importância para o Estado. Isso porque a empresa está situada em um município pequeno, gerando grande impacto na economia local. Braga pondera que 80% dos municípios mineiros têm menos de 20 mil habitantes, com 55% tendo menos de 10 mil moradores. E, muitas vezes, essas cidades têm economia deprimida, que não oferece oportunidade de trabalho.

Ele considera que três fatores foram determinantes para o sucesso do negócio da StickFran em Minas. O primeiro deles é a característica do empreendedor.

“É um empreendedor contemporâneo, que busca qualificação o tempo todo”, diz. Outro ponto é a localização de Claraval, próxima ao mercado consumidor. Por fim, Braga cita o ambiente econômico do município, que não cria entraves ao desenvolvimento de empresas.