O condomínio residencial Sense foi recém-lançado em Uberlândia / Divulgação

O mercado da construção civil em Uberlândia, no Triângulo Mineiro, vive momento de retorno ao otimismo. Empresários do setor apostam no lançamento de empreendimentos e garantem que o clima é de maior confiança no setor. Recém-lançado na Zona Sul da cidade, o condomínio residencial Sense, da Incorporadora Brasal, é um exemplo de megaempreendimento.

Foram R$ 223 milhões investidos em um projeto de três torres e 270 apartamentos. O empreendimento ainda se destaca por sua proposta “futurista” e traz novidades como compartilhamento de bicicletas elétricas e de carro elétrico, pontos para recarregamento na garagem, coworking e portas digitais.

De acordo com o Sindicato da Indústria da Construção Civil do Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba (Sinduscon-Tap), de janeiro a agosto deste ano foram comercializadas 2.139 unidades de apartamentos na região. O número representa 48% de crescimento em relação aos últimos nove meses de 2017 (três últimos trimestres), quando foram comercializadas 1.444 unidades.

Em Minas Gerais, o Índice de Confiança do Empresário da Indústria da Construção de Minas Gerais (Iceicon-MG) apresentou o segundo aumento consecutivo (1,0 ponto) entre agosto e setembro, registrando 46,4 pontos. O indicador ainda aponta falta de confiança dos empresários, mas aponta para uma perspectiva de melhora.

Leia também:

Crescimento da área Leste

Nesse clima de otimismo, a Incorporadora Brasal aposta em um novo empreendimento na cidade: o Sense, que terá 67 mil metros de área construída, três torres e 270 apartamentos. De acordo com o diretor da filial da Brasal em Uberlândia, Guilherme Sacramento, o clima é de “esperança” com o desempenho do mercado. De acordo com ele, o empreendimento será concluído em 50 meses e a expectativa é de que todas as unidades sejam vendidas em até 60 meses. O investimento foi de R$ 223 milhões, sendo R$ 5 milhões só em infraestrutura de tecnologia. Os apartamentos têm entre 117 e 316 metros quadrados e custam a partir de R$ 740 mil.

“Nosso esforço tem sido para antecipar o futuro e construir imóveis que atenderão às novas necessidades dos consumidores. Nesse sentido unimos nesse empreendimento o conceito de tecnologia, mobilidade e compartilhamento”, destaca. Além de área de lazer completa – que já não se destaca mais como diferencial -, o empreendimento traz novidades como o compartilhamento de 20 bicicletas elétricas. Elas estarão disponíveis para os moradores, que poderão agendar o uso por um aplicativo. O prédio também oferecerá um carro elétrico com motorista, que terá um funcionamento semelhante aos apps de transporte privado, como Uber.

Outra novidade é o espaço de coworking, uma nova tendência nos projetos de empreendimentos residenciais. “Espaços de coworking em condomínios residenciais começam a surgir como solução. Em tempos em que o trabalho home office vem crescendo, ter um espaço em casa onde seja possível se concentrar na realização das tarefas sem comprometer a rotina da família é uma boa opção”, destaca. O prédio ainda oferece uma série de facilidades como leitor biométrico, torneira com fechamento automático, lâmpadas frias, piscina climatizada, abertura de porta da garagem por celular e automação de áreas comuns (som, ar-condicionado e iluminação).