04/08/2017- Paraná- Exportação histórica de soja no Porto de Paranaguá. Foto: IvanBueno/ AG. Paraná

São Paulo – A União Brasileira do Biodiesel e Bioquerosene (Ubrabio) apresentou ontem uma proposta em que o governo ficaria com 10% ganhos com exportações de soja, em um programa para ajudar a indústria local de processamento da oleaginosa.

O dinheiro coletado seria distribuído entre os processadores proporcionalmente às suas vendas de farelo de soja, para ajudá-los a competir nos mercados internacionais e impulsionar a capacidade de comprar soja no mercado doméstico, competindo com exportadores.

Juan Diego Ferrés, chairman da Ubrabio e o responsável pela proposta, disse que a ideia é compensar os processadores pela distorção do mercado causada pela disputa comercial entre a China e os Estados Unidos.

As tarifas impostas pelas duas maiores economias do mundo levaram a um aumento das exportações brasileiras de soja que, por sua vez, reduziram a oferta local e causaram uma alta acentuada nos preços domésticos da oleaginosa.

“O que está acontecendo é bom apenas para os agricultores. Está impactando o setor de processamento de soja”, disse.

Ferrés, que também é diretor da Granol, uma das maiores processadores de soja do Brasil, , disse que as unidades sofrem o dobro na situação atual: elas pagam mais pela soja e não conseguem competir no mercado internacional de farelo e óleo de soja porque as esmagadoras dos EUA têm acesso a grãos baratos e, portanto, são mais competitivas.
Ele disse que a situação também está aumentando os custos para outros setores brasileiros, como o de carne.

A Ubrabio estimou que uma retenção de 10% dos ganhos das exportações de soja em 2019 geraria cerca de US$ 3,14 bilhões. (Reuters)