De acordo com nova projeção da mineradora, expectativa é de produção entre 307 e 332 milhões de toneladas para este ano - CRÉDITOS: DIVULGAÇÃO/VALE

Rio de Janeiro e São Paulo – As vendas de minério de ferro e pelotas da Vale poderão cair de 9% a 16% neste ano ante 2018, diante do fechamento de diversas operações da companhia em busca de mais segurança, depois que uma barragem da mineradora se rompeu em Brumadinho e deixou dezenas de mortos.

A empresa planejava vender neste ano 382 milhões de toneladas de minério de ferro e pelotas. Mas, após as paradas de atividades, reviu a sua projeção para algo entre 307 milhões e 332 milhões de toneladas.

No ano passado, a maior produtora global da commodity vendeu 365,57 milhões de toneladas de minério de ferro e pelotas, sendo 308,98 milhões de minério de ferro.

Enquanto a oferta de minério da Vale deve cair, os preços da commodity na China engataram forte alta. Desde 25 de janeiro, quando a barragem de Brumadinho se rompeu, as cotações acumulam alta de mais de 20%.

Questionada na quinta-feira (18), a Vale não detalhou quanto do volume de vendas previsto para 2019 é de pelotas e quanto é de minério de ferro.

No fim de março, a empresa havia informado a revisão da previsão de vendas de minério de ferro para este ano, estimando entre 307 milhões e 332 milhões de toneladas, mas sem informar que o volume também incluía pelotas.Ao atualizar projeções nesta semana, a empresa acrescentou a informação sobre pelotas.

À Reuters, a Vale informou que não houve nova mudança na estimativa para este ano e que apenas foi incluída a informação sobre pelotas.

Na nota que atualizou as projeções, a Vale trouxe ainda que chuvas em março e abril afetaram as operações do seu mais importante sistema, no Norte do País.

As paralisações que causaram a revisão nas vendas ocorreram em diversas operações da Vale, por iniciativa própria ou decisões de autoridades, até que a empresa tenha a segurança necessária para operar as estruturas ou que conclua descomissionamentos planejados.

Brucutu – A Vale estava impedida de operar 93 milhões de toneladas/ano de capacidade de produção congelada. Nesta semana, teve decisão favorável da Justiça para voltar a operar sua maior mina de minério de ferro de Minas Gerais, chamada Brucutu, de 30 milhões de toneladas de capacidade.

O rompimento da barragem de Brumadinho liberou mais de 12 milhões de toneladas de rejeitos do beneficiamento de minério de ferro, atingindo área administrativa e refeitório da companhia, além de mata, comunidades e rios da região, incluindo o importante Paraopeba.

Até o momento, foram confirmados 231 mortos pela Defesa Civil, e 46 pessoas permanecem desaparecidas. (Reuters)