Em segundo lugar na composição do índice da agricultura, a cana-de-açúcar deve ter um faturamento em Minas Gerais quase 15% maior em 2019 - CRÉDITO: DIVULGAÇÃO/UNICA

O Valor Bruto da Produção Agropecuária (VBP) de Minas Gerais para 2019, com base nos dados de abril, foi estimado em R$ 59,48 bilhões, 0,2% maior do que o registrado em 2018, que foi de R$ 59,35 bilhões. As lavouras tiveram um incremento de 1,3%. Já a pecuária recuou 1,6%, resultado do fraco desempenho observado em leite e ovos. Os dados são do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

Na projeção do VBP estadual de R$ 59,4 bilhões em 2019, a agricultura respondeu por 64,7% do montante e a pecuária, por 35,29%.

A estimativa é de um VBP de R$ 38,5 bilhões para a agricultura, o que, se alcançado, representará uma elevação de 1,3% frente a 2018, quando o faturamento das lavouras atingiu R$ 38 bilhões.

Uma das influências negativas na composição do VBP da agricultura é a previsão de queda da safra de café, principal produto do agronegócio mineiro e que representa 29,1% do VBP das lavouras. Neste ano, a expectativa é colher 26,4 milhões de sacas de 60 quilos, volume que está 20,7% inferior ao registrado na safra passada. Com estimativa de safra menor e os preços ainda baixos no mercado, o VBP da produção total de café em 2019 foi previsto em R$ 11,2 bilhões, variação negativa de 23%.
Somente no faturamento do café arábica é esperado recuo de 23%, com a produção avaliada em R$ 11,1 bilhões. No caso do café conilon, a queda prevista é de 16%, com VBP estimado em R$ 79 milhões.

Outro importante produto que recuou foi a soja. No caso da oleaginosa, a tendência é encerrar o ano com retração de 15,6% e faturamento estimado em R$ 5,93 bilhões. Neste ano-safra, a expectativa é colher 5 milhões de toneladas de soja, volume 8,5% menor. A oleaginosa responde por 15,4% do VBP das lavouras.

O milho, outro importante item do agronegócio mineiro, deve apresentar faturamento de R$ 3,8 bilhões, variação negativa de 2%. A participação do milho na composição do VBP das lavouras é de 10,1%.

Alguns importantes produtos apresentaram variação positiva em abril. Na produção de cana-de-açúcar, por exemplo, o faturamento previsto para 2019 é de R$ 7 bilhões, o que, se alcançado, será 14,9% maior do que os R$ 6,1 bilhões registrados no ano anterior. O produto responde por 18,3% do VBP da agricultura, sendo o segundo de maior peso na composição do índice e perdendo apenas para o café.

Com demanda e produção em alta, o VBP do algodão herbáceo pode crescer 57,3%, com faturamento estimado em R$ 929 milhões. Outro produto que está com previsão positiva é a batata-inglesa, com alta de 127,1% e VBP estimado em R$ 2,8 bilhões.

Para o feijão, as expectativas também são positivas. A estimativa é de que o faturamento da cultura encerre 2019 em R$ 2,57 bilhões, alta de 167,1%. No caso da banana, a alta está projetada em 14,9% e VBP em R$ 1,5 bilhão. A cultura do tomate teve o VBP estimado em R$ 2 bilhões, aumento de 60%.

Pecuária – Ao contrário do resultado das lavouras, a estimativa é de queda no faturamento bruto da pecuária de Minas Gerais em 2019. Com base nos dados de abril, a expectativa é encerrar o ano com VBP 1,6% inferior e faturamento de R$ 20,94 bilhões.

Entre os produtos, os ganhos previstos para a produção mineira de leite, R$ 8,78 bilhões, estão 0,5% menor do que os R$ 8,82 bilhões registrados no ano anterior. Em ovos, a previsão é fechar 2019 com VBP em R$ 972 milhões, queda de 6,1%.

Para a produção de frangos, a estimativa é de um faturamento, em 2019, próximo a R$ 4,5 bilhões, o que, se concretizado, será 12% maior. Os ganhos no segmento de bovinos vão crescer apenas 0,4%, com o VBP estimado em R$ 6,68 bilhões.