Créditos: ALAIR VIEIRA

Debater a situação do vapor Benjamim Guimarães, única embarcação do tipo ainda em operação no mundo e que, apesar de ser tombado pelo patrimônio estadual, encontra-se em risco de deterioração. Esse é o objetivo de audiência pública que será realizada amanhã pela Comissão de Cultura da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) a partir das 16 horas, no Auditório SE.

O requerimento é de autoria do presidente da comissão, deputado Bosco (Avante). De acordo com o parlamentar, o vapor ainda navega no rio São Francisco, na região de Pirapora (Norte). Mas, apesar de tombada pelo patrimônio do Estado, a embarcação não tem recebido a manutenção adequada e providências precisam ser tomadas para evitar a deterioração deste bem público cultural histórico.

O vapor Benjamim Guimarães foi originalmente construído em 1913, nos Estados Unidos, pelo estaleiro James Rees & Com. O barco, de três pisos, navegou no rio Mississipi e, posteriormente, em rios da Bacia Amazônica.

Na segunda metade da década de 1920, a firma Júlio Guimarães adquiriu a embarcação e a montou no porto de Pirapora, rebatizando o navio em homenagem ao patriarca da família proprietária da firma. A partir de então, o vapor passou a realizar contínuas viagens ao longo do rio São Francisco e em alguns dos seus afluentes.

O Benjamim Guimarães possui três pisos: no primeiro, encontra-se a casa de máquinas, caldeira, banheiros e uma área para abrigar passageiros. No segundo, estão instalados 12 camarotes e, no terceiro, um bar e área coberta. Tem capacidade para 170 pessoas, entre tripulantes e passageiros, e consome um metro cúbico de lenha por hora.

De acordo com as normas de segurança da Marinha, nas atuais condições em que se encontra, o vapor está autorizado a navegar apenas na chamada área 1: rio, lago e correnteza que não tenham ondas ou ventos fortes.

Foram chamados a participar da reunião o secretário da Secretaria de Estado de Cultura, Marcelo Landi Matte; a presidente do Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (Iepha), Michele Abreu Arroyo; a promotora de Justiça e coordenadora das Promotorias de Justiça de Defesa do Patrimônio Cultural e Turístico de Minas Gerais, Giselle Ribeiro de Oliveira; o vereador da Câmara Municipal de Pirapora, José Humberto Fulgêncio; e o engenheiro naval Odair Thadeu Sanguino.

Todas as reuniões do plenário e das comissões são transmitidas ao vivo pelo Portal da Assembleia. Para acompanhá-las, basta procurar pelo evento desejado na agenda do dia.

Além disso, quem não puder comparecer à reunião poderá fazer parte do debate por meio da ferramenta “Reuniões Interativas do Portal’, que estará disponível no momento da audiência. Questionamentos e dúvidas poderão ser encaminhados e, ao fim da sessão, serão respondidos pelos convidados. (As informações são da ALMG)