A soja (foto) está entre as culturas com perspectivas negativas para este ano, assim como o café e a cana-de-açúcar - Crédito: Roberto Samora/Reuters

O Valor Bruto da Produção Agropecuária (VBP) de Minas Gerais, para 2019, com base nos dados de março, foi estimado em R$ 57,49 bilhões, retração de 2,24% frente aos R$ 58,81 bilhões registrados em 2018.

A queda é justificada pelo desempenho negativo tanto na pecuária, que retraiu 2,44% no período, quanto na agricultura, cuja estimativa aponta para uma retração de 2,13% em 2019. Importantes produtos como a soja, café, cana-de-açúcar e leite estão com perspectivas negativas no VBP. Os dados foram divulgados pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

Do total do VBP estadual, a agricultura responde por 64,2% e a pecuária por 35,8%. A previsão é de um VBP de R$ 36,91 bilhões nas lavouras, o que, se alcançado, representará um recuo de 2,13% frente a 2018, quando o faturamento atingiu R$ 37,7 bilhões.

Uma das influências negativas na composição do VBP da agricultura é a previsão de queda da safra de café, principal produto do agronegócio mineiro. Neste ano, a expectativa é colher entre 26,4 milhões e 27,6 milhões de sacas de 60 quilos, quantidade que representará uma redução de 20,8% no volume mínimo e de 17% no volume máximo frente à safra anterior.

Com previsão de safra menor e os preços baixos no mercado, o VBP da produção total de café em 2019 foi estimado em R$ 11,2 bilhões, variação negativa de 21,8%.

Somente no café arábica, o VBP deve alcançar R$ 11,1 bilhões, queda de 22%. Já para o café conilon, a previsão é de alta de 8,41%, com o faturamento da produção calculado em R$ 100 milhões.

No caso da soja, a tendência é encerrar o ano com redução de 14,2% e faturamento estimado em R$ 5,97 bilhões. Neste ano safra, a expectativa é colher 5 milhões de toneladas de soja, volume 8,5% menor.

Na produção de cana-de-açúcar, o faturamento previsto para 2019 é de R$ 5,73 bilhões, 5,63% inferior à safra passada.

O milho, outro importante item do agronegócio mineiro, deve apresentar faturamento de R$ 3,99 bilhões, variação positiva de 1,53%. Com demanda e produção em alta, o VBP do algodão herbáceo pode crescer 60,56%, com ganho estimado em R$ 940 milhões. Outro produto que está com previsão positiva é a batata-inglesa, com alta de 107% e VBP estimado em R$ 2,59 bilhões.

Para o feijão, as expectativas também são favoráveis. A estimativa é de que o faturamento da cultura encerre 2019 em R$ 2,7 bilhões, alta de 183%. No caso da banana, o avanço está calculado em 4,34% e o VBP em R$ 1,35 bilhão.

Pecuária – Assim como nas lavouras, a projeção é de queda no faturamento bruto da pecuária de Minas Gerais em 2019. Com base nos dados de março, a expectativa é encerrar o ano com VBP 2,44% inferior e faturamento de R$ 20,58 bilhões.

Para a produção de frangos, a estimativa é de ganhos em 2019 próximos a R$ 4,39 bilhões, o que será 10,65% maior. Já o faturamento previsto para a produção mineira de leite, R$ 8,63 bilhões, está 1,22% menor do que os R$ 8,7 bilhões registrados no ano anterior.

No segmento de ovos, a previsão é fechar este ano com VBP em R$ 941 milhões, queda de 8,2%. No setor da pecuária, o faturamento de bovinos vai ficar estável, com pequena variação positiva de 0,07% e VBP de R$ 6,6 bilhões.