Uma boa parte do eleitorado rejeita o legado do ex-presidente Lula mas não tem identificação com o “bolsonarismo” - REUTERS/Francisco Proner

São Paulo – O crescimento do candidato do PSL à Presidência nas eleições 2018, Jair Bolsonaro, no terço do eleitorado que se declara antipetista – como mostra a última pesquisa Ibope, na qual o deputado tem 59% da preferência nesse grupo específico – é movida mais pelo antagonismo desse eleitor ao que representa o PT e o legado do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva que por uma identificação explícita com o “bolsonarismo”.

A avaliação é de cientistas políticos ouvidos pela reportagem. Para esses analistas, na reta final da eleição, esse voto antipetista pode migrar caso fique claro que Bolsonaro não conseguirá derrotar o PT. Geraldo Alckmin, do PSDB, pode ser um dos beneficiados caso esse fenômeno se concretize.

Entre os brasileiros que não votariam no PT de jeito nenhum – grupo formado por três em cada dez eleitores -, Bolsonaro cresceu 18 pontos percentuais desde o começo do mês. O candidato do PSL tem agora 59% das intenções de voto entre os antipetistas – a taxa era de 41% no dia 5 e de 53% no dia 11.

Os analistas consideram que esse crescimento de 18 pontos entre críticos do PT mostra que a rejeição ao campo lulista é maior que o voto programático no candidato do PSL.

Leia também:

Alckmin frustra eleitores paulistas

PF abre novo inquérito sobre facada

Tucano desqualifica candidato folclórico

“Esse dado mostra que não há um bolsonarismo no Brasil, mas um antilulismo que, no momento, está identificado na figura do Bolsonaro”, diz Emerson Cervi, da Universidade Federal do Paraná “O fato de ele estacionar no eleitorado geral e crescer nesses 30% que não votam no PT mostra que ele não consegue se representar por si mesmo, ele se representa pela negação do outro”, avalia.

Kléber Carrilho, professor de comunicação política da Universidade Metodista, concorda com a avaliação. “Neste momento, o Bolsonaro consegue reunir a imagem do antipetista ideal”, diz. “A paixão antipetista é maior que a decisão de voto no Bolsonaro. É um voto mais antipetista que um voto no Bolsonaro”, ressalta.

O PSDB, que por mais de 25 anos polarizou a política nacional com o PT, foi o maior afetado pelo crescimento de Bolsonaro entre os antipetistas. Nessa faixa do eleitorado, Alckmin tem apenas 10% dos votos, o equivalente a um sexto da taxa do candidato do PSL. Agora, o tucano conta com o crescimento do petista Fernando Haddad contra Bolsonaro no segundo turno – 43% a 37%, segundo o levantamento de ontem – para tentar tirar votos do capitão reformado.

Voto útil – Em entrevistas e sabatinas, bem como no horário eleitoral, Alckmin tem feito um apelo pelo voto útil ao pregar que votar em Bolsonaro é passaporte para a volta do PT porque o candidato do PSL perderia para qualquer um no segundo turno. O tucano também tem atacado os dois líderes nas pesquisas em spots no rádio e na TV, onde caracteriza ambos como “um salto no escuro”. “A pesquisa de ontem mostra que pode haver transferência de votos para outro antipetista porque ele pode não ganhar do PT no segundo turno, no caso o Alckmin”, afirma Carrilho.

Cervi lembra, no entanto, que os ataques de Alckmin a Bolsonaro podem criar uma espécie de “efeito bumerangue” – quando o alvo dos ataques para de crescer nas pesquisas, mas o autor não é beneficiado com os votos que foram perdidos, o que, em tese, poderia abrir espaço para o terceiro colocado na disputa, Ciro Gomes, do PDT, que tentou se distanciar tanto do PT quanto de Bolsonaro em declarações recentes. (AE)