Publicidade

1967 - Modernização do parque gráfico

Email
A-   A+
No início da década de 1940, o Diário do Comércio adquiriu o primeiro mimeógrafo elétrico, da marca Gestestner, de fabricação alemã; algum tempo depois, a primeira linotipo, que possibilitava tanto a impressão em mimeógrafo quanto a tipográfica, que era feita nas oficinas da Gráfica Queiroz Brenner. Logo depois, dá-se a compra da impressora “Multilite”, que fazia a impressão folha por folha, usando chapa de alumínio.

Em 1950, o jornal adquiriu uma impressora nova, rotoplana. O processo se tornava mais eficiente e mais rápido, eliminando todo o trabalho de fazer o molde da página montada em chumbo, com um material próprio que parecia uma massa pastosa; a imagem, em relevo, ficava na chamada “telha”, em forma de cilindro, para ser refundida novamente em chumbo com a curvatura devida, adequada para ser colocada na impressora. Essa era a tecnologia então usada em todos os jornais e foi utilizada até quase os anos 70. José Costa realmente se antecipou.

A busca do aperfeiçoamento gráfico e editorial do jornal foi uma constante no pensamento e ação de José Costa, que reinvestia na empresa os recursos financeiros arrecadados: “Trabalhar com recursos próprios garantia são só a independência de minhas ideias, e como também a própria sobrevivência racional e metódica do jornal”, disse ele em outubro de 1982.

Em 1976, o jornal adquire a primeira impressora off-set. Na época, foram apenas duas máquinas compradas por empresas brasileiras: o Diário do Comércio e o Correio Brazilience. Em 1968, a terceira foi adquirida pela Folha de São Paulo.

O pioneirismo, a novidade da máquina e a sua potência assustaram os responsáveis pela imprensa mineira, que a achavam “descabida” no cenário dos jornais belo-horizontinos. Hoje, o off-set é equipamento padrão para a impressão de jornais no mundo inteiro.
› últimas notícias
Indústria mineira volta a cogitar aportes
China decide reduzir os setores fechados ao capital estrangeiro
Suzano reajusta preço da celulose na América do Norte e na Europa
Pif Paf e Forno de Minas cruzam fronteiras para ampliar faturamento
Hipercentro da capital mineira ganha plano de reabilitação
Leia mais notícias ›
› Relacionados
História
1941 - Cidade Industrial
1942 - Vale do Rio Doce
1952 - Cemig
1953 - O Petróleo é nosso - Petrobras
1960 - Muda o nome
1962 - Usiminas
1967 - Modernização do parque gráfico
1976 - Jornal de Casa
1976 - Fiat
1982 - 50 anos
1978 - Minas Exporta
1986 - Açominas
1988 - Nova sede na Avenida Américo Vespúcio
1995 - Morre o fundador
2007 - Prêmio José Costa
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:

Cadastrar
› Mais Lidas
Emissoras de rádio assinam na Capital termo aditivo de migração de AM para FM
Voos de grande porte na Pampulha afetam Confins
Aporte da Mina Digital da Gerdau supera R$ 4 milhões
MG é 'campeão' na lista do trabalho escravo
Femec deve girar R$ 225,4 milhões neste ano
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› DC Franquia
Tutores amplia presença no País com mais sete unidades
SuperGeeks e Conserta Smart desembarcam em BH
Minas Gerais nos planos de expansão da Loucos por Churros
Setor de franquias cresce 8,3% no Brasil em 2016
Busger estreia como evolução dos food trucks
Leia todas as notícias ›
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


28 de March de 2017
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.