De acordo com o relatório da Absolar, os consumidores residenciais são os principais usuários da fonte fotovoltaica, seguidos pelos do comércio - Créditos: DIVULGAÇÃO

Mapeada pela Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) como uma das cidades do Estado com maior incidência solar, Uberlândia, no Triângulo Mineiro, ganha destaque mais uma vez no cenário de energia fotovoltaica.

A cidade está posicionada em primeiro lugar no ranking das cidades com maior potência instalada de fonte de energia solar fotovoltaica no Brasil. A informação é do novo relatório da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar), que se baseia em dados atualizados no mês de fevereiro pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

De acordo com o relatório, o município tem 12 megawatts (MW) de potência instalada, o equivalente a quase 2% do que é produzido pelo setor no País e cerca de 9% da produção de Minas Gerais.

O Estado também mantém liderança no ranking: é o primeiro colocado entre os estados brasileiros, com 137 MW instalados. No ranking municipal também aparecem os municípios do Norte de Minas, Várzea da Palma, que ocupa a segunda posição, e Buritizeiro, que está em quinto lugar. Belo Horizonte também aparece na oitava posição.

LEIA TAMBÉM:

Ambev receberá 4.905 painéis

EPE avalia potencial e desafios para eólicas offshore

Minigeração x Microgeração – O ranking da Absolar considera a geração de energia solar por micro e minigeração distribuída. Segundo a Aneel, a microgeração distribuída corresponde à central geradora de energia elétrica, com potência instalada menor ou igual a 75 quilowatts (kW), conectada à rede de distribuição por meio de instalações de unidades consumidoras.

Já a minigeração distribuição são unidades com potência instalada superior a 75 kW e menor ou igual a 5 MW. No Brasil, a potência desses dois tipos de centrais já soma 630,4 MW.

O prefeito de Uberlândia, Odelmo Leão, afirma que o crescimento da atividade na cidade está relacionado a uma conscientização ambiental da população, mas também das empresas e investidores que promovem essa captação de energia solar.

De acordo com o relatório, os consumidores residenciais são os principais usuários da fonte fotovoltaica, seguidos pelos do comércio. Segundo o prefeito, a cidade passou de 4 MW de potência instalada para 12 MW em apenas um ano.

“Há empresas instaladas na cidade com metas reais de serem 100% autossuficientes em geração de energia, há projetos da construção civil para instalar painéis nos empreendimentos habitacionais populares e a prefeitura está fazendo um planejamento de saneamento básico que inclui estudos para captação de energia solar em estações de abastecimento de água e de tratamento de esgoto do município. A conscientização se estendeu para diversos setores e nos levou a esse resultado”, comemora.

O prefeito destaca que, além de despontar Uberlândia no cenário nacional como uma cidade moderna e que diversifica sua matriz energética, o relatório ajuda a divulgar a cidade como um bom lugar para negócios nesse setor.

“Várias empresas desse segmento já estão se instalando na cidade e a tendência é de que esse movimento cresça gradativamente. Isso também é muito positivo para a cidade porque gera emprego e renda”, reforça.

Para incentivar o setor, a prefeitura promove, desde o ano passado, o evento Sustentabilidade Urbana pelas Energias Renováveis (Super), que reúne empresários e representantes de instituições ligadas ao setor energético brasileiro e promove discussões sobre o tema.

“É uma oportunidade para o empreendedor se informar mais sobre o segmento e entender onde pode investir”, frisa. A edição deste ano acontecerá nos dias 15 e 16 de maio.