São Paulo – A ex-presidente da Costa Rica Laura Chinchilla, chefe da missão de observação eleitoral da Organização dos Estados Americanos (OEA) no Brasil, disse que o uso do WhatsApp para disseminação de notícias falsas na eleição brasileira é um caso “sem precedentes”. As declarações foram dadas após um encontro entra ela e o candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad, na manhã de ontem, em São Paulo.

“O fenômeno que temos visto no Brasil talvez não tenha precedentes fundamentalmente por uma razão. No caso do Brasil, estão usando redes privadas, que é o WhatsApp. É uma rede que apresenta muitas complexidades para que as autoridades possam acessar e realizar investigações”, disse Chinchilla.

Segundo ela, ao contrário de outras eleições marcadas pelas chamadas fake news, no caso brasileiro a disseminação das mentiras migrou das redes públicas como Facebook para uma rede de uso privado, o WhatsApp, o que torna mais difícil a investigação.

A missão da OEA constatou que o fenômeno das fake news via WhatsApp já ocorreu no primeiro turno da eleição. Para a chefe da missão, o discurso de ódio e violência foi a marca da primeira rodada eleitoral devido ao ambiente político.

“Este processo está sendo fortemente impactado por alguns fenômenos ligados ao clima político. Entre eles um discurso de incentivar a violência política. Por isso pedimos que seja enfatizada a utilização de um tom construtivo que venha a impedir manifestações de violência”, disse.

Numa queixa às notícias falsas disseminadas pelas redes sociais para favorecer seu adversário, o ex-prefeito Fernando Haddad classificou a campanha deste ano como “a mais baixa de todos os tempos”. Segundo ele, Jair Bolsonaro, candidato do PSL, é o maior responsável pelo nível da disputa pela sucessão presidencial. “É a campanha mais baixa de todos os tempos porque ele Bolsonaro quis criar esse clima. Esse clima favorece a campanha dele”, declarou o petista. (AE)