COTAÇÃO DE 23/05/2022

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$4,8040

VENDA: R$4,8050

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$4,8800

VENDA: R$4,9820

EURO

COMPRA: R$5,1166

VENDA: R$5,1182

OURO NY

U$1.853,34`��

OURO BM&F (g)

R$285,51 (g)

BOVESPA

+1,71

POUPANÇA

0,6084%

OFERECIMENTO

DC Auto

Plataforma moderna eleva qualidade do Taos

COMPARTILHE

Crédito: Amintas Vidal

Este foi o ano do SUV médio no Brasil. Em 2021, Volkswagen Taos e Toyota Corolla Cross chegaram para encarar o líder, o Jeep Compass. 

Até o fechamento de novembro, o Taos registrou 6.270 emplacamentos, o Corolla Cross vendeu 29.674 unidades e, o Jeep Compass, manteve a dianteira com 64.255 unidades emplacadas, segundo dados da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave).

PUBLICIDADE




O DC Auto recebeu o Volkswagen Taos Comfortline para avaliação, versão de entrada do SUV. No site da montadora, seu preço é R$ 168,49 mil na cor preta, curiosamente, uma pintura perolizada. A cor branca sólida custa R$ 595,00 a mais e, as outras, prata e cinza metálicas, R$1,41 mil a mais no preço base.

Os principais equipamentos de série da versão Comfortline são: sistema multimídia VW Play com trela de 10 polegadas, resolução HD+ e aplicativos nativos; painel de instrumentos digital de 8 polegadas; três entradas USB tipo C; carregamento de celular por indução; antena tipo barbatana de tubarão; ar-condicionado Climatronic com ajuste de temperatura de duas zonas e saídas para o banco traseiro; sistema Kessy (acesso ao veículo sem o uso da chave e botão para partida do motor); direção elétrica; freio de estacionamento eletromecânico; sistema start-stop; rodas de liga leve 18 polegadas calçadas com pneus 215/55 R18; vidros elétricos dianteiros e traseiros com função one touch nos dianteiros e volante multifuncional com paddle shift para troca de marchas.

Segurança – Em matéria de segurança, diversos equipamentos a mais que os obrigatórios estão presentes: seis airbags (dois frontais, dois laterais nos bancos dianteiros e dois do tipo cortina); controles eletrônicos de estabilidade (ESC) e de tração (ASR); sistema de frenagem automática pós-colisão; detector de fadiga; assistente de partida em inclinações; espelho retrovisor interno eletrocrômico e sensores de chuva e crepuscular; lanternas traseiras, faróis e luz de condução diurna em LED; regulagem de altura do facho do farol; retrovisores externos eletricamente ajustáveis com função tilt down no lado direito; câmera traseira e sensores de estacionamento dianteiros e traseiros; alerta sonoro e visual de não utilização dos cintos de segurança dianteiros e traseiros e indicador de pressão dos pneus são os principais.

Dois opcionais, que não estavam presentes na unidade avaliada, podem ser adquiridos. O Pacote Segurança, no valor de R$ 5,2 mil, traz piloto automático adaptativo e frenagem automática de emergência com detector de pedestre.

PUBLICIDADE




Por R$ 5,89 mil, o Pacote Conforto acrescenta revestimento em material sintético que imita o couro para todos os bancos, aquecimento para os dois dianteiros e regulagem elétrica para o do motorista.

Motor e câmbio – O motor do Taos é o 250 TSi bicombustível. Ele tem 1.395 cm³ de capacidade e 4 cilindros em linha. Conta com 16 válvulas em um duplo comando tracionado por correia dentada e com variação na abertura das válvulas, tanto na admissão quanto na exaustão. É sobrealimentado por turbocompressor de baixa inércia e tem injeção direta de combustível.

O motor 1.4 turbo desenvolve potência máxima de 150 cv às 5.000 rpm com etanol ou gasolina. Seu torque máximo de 250 Nm (25,5 kgfm) surge às baixas 1.400 rpm e se mantém plano até 3.500 rpm, também com os dois combustíveis.

A transmissão é automática convencional de seis (6) marchas com conversor de torque. Ela conta com programação sport e possibilidade de trocas por meio da alavanca de câmbio ou das aletas posicionadas atrás do volante. Com este conjunto, a Volkswagen informa que o Taos acelera de 0 a 100 km/h em 9,3 segundos e tem velocidade máxima de 194 km/h.

Em outubro deste ano, avaliamos o Jeep Compass Longitude, justamente a versão concorrente do VW Taos Comfortline. O Jeep custa R$ 1,50 mil a menos e traz revestimento sintético que imita o couro nos bancos e controles elétricos do banco do motorista, itens opcionais no Taos, como descrito anteriormente.

Em compensação, o carregamento de celular por indução e o sensor de estacionamento dianteiro são equipamentos de série no modelo da Volkswagen.

Interior – Nessa versão, os materiais usados nos acabamentos não favorecem a qualidade interna percebida, pois em quase todas as partes o plástico rígido é o que sobressai. A parte central do painel principal tem uma cor azulada, diferenciada dos outros diversos tons de cinza empregados, mas é fosca, com aparência muito simples.

Até o revestimento sintético com costuras aparentes e leve acolchoamento, presente na base do painel central e nos encostos de braços das portas dianteiras, não é muito sofisticado. A parte superior das portas dianteiras são as únicas áreas emborrachadas, realmente, macias ao toque.

Este mesmo material sintético é usado nas laterais dos bancos dianteiros que, juntamente com os traseiros, são revestidos com tecidos que apresentam variações na cor cinza, texturas e desenhos em baixo relevo que enriquecem o interior monocromático do Taos.

Crédito: Amintas Vidal

Plataforma MQB – Sempre dissemos que um carro é tão bom quanto a sua plataforma. É aí que a Volkswagen começa a virar o jogo. A plataforma MQB, uma das melhores do mundo, está presente em seis dos dez modelos vendidos no Brasil: Polo, Virtus, Nivus, T-Cross, Taos e Jetta.

Ótimo espaço interno, ergonomia acertada, dirigibilidade superior e alto nível de segurança são as principais qualidades destes carros. Características que fazem com que sejam melhores que todos os seus concorrentes nacionais, pelo menos nestes quesitos, os mais importantes em nossa opinião.

O espaço na cabine do Taos é o melhor entre os SUVs médios de cinco lugares. Quatro adultos se acomodam com grande área para cabeça, ombros e pernas. Ao centro do banco traseiro, o quinto ocupante precisa acomodar-se com as pernas abertas, pois o túnel central é alto. Mesmo assim, nessa posição, existe mais espaço do que nos seus rivais.

As principais medidas do Taos, não por acaso, são as maiores entre os concorrentes. Os 2,68 metros de distância entre-eixos, os 4,44 metros de comprimento e os 1,84 metro de largura garantem a amplitude para os passageiros.

Já os ótimos 498 litros garantem espaço para as bagagens no porta-malas. No Compass, são apenas 410 litros. Em seu tanque de combustíveis cabem 51 litros, 9 litros a menos do que no Jeep.

A posição ao volante é um capítulo à parte. Em mais uma qualidade da plataforma MQB, o banco fica mais próximo ao piso, permitindo uma postura mais esportiva. O motorista se sente mais integrado ao carro, menos isolado da sua estrutura. Seu corpo fica alinhado com o volante e os pedais e os diversos comandos estão todos à mão, uma ergonomia acertada.

Estabilidade e conforto entre as melhores características

O sistema multimídia está entre os melhores do mercado. Definição da tela, sensibilidade ao toque e velocidade de processamento são superiores às da concorrência. Em tamanho, a tela empata com a do Compass.

Programas de navegação, de músicas por streaming e de pagamento em estabelecimentos comerciais, por exemplo, são nativos do equipamento, permitindo sua utilização sem a necessidade do celular, embora seja possível pareá-lo por meio do Apple Carplay (sem fio) e do Android Auto (com fio).

Entretanto, não existe um chip de operadora embarcado no multimídia. Com isso, é necessário compartilhar o sinal de internet do próprio celular. Segundo a Volkswagen, uma opção para que o usuário não precise contratar outro plano de dados e use apenas um único para o smartphone e o carro.

O sistema de som não é assinado por marca especializada em áudio, mas reproduz músicas baixadas na internet com potência e qualidade razoáveis.

O quadro de instrumentos digital, equipamento de série no Taos e inexistente no Compass Longitude, permite três configurações visuais e a escolha das informações exibidas. Inclusive, um destes modos exibe a velocidade ao centro e dois outros dados quaisquer do computador de bordo, do multimídia ou do câmbio, uma ótima opção para múltiplas visualizações.

Os sensores de estacionamento ajudam bastante em manobras, amenizando a pouca visibilidade cruzada. Mas, as guias gráficas não são dinâmicas como são no Compass, recurso que seria muito bem-vindo ao Taos.

A direção elétrica também contribui nestes momentos, ficando muito leve quando esterçada com o carro parado ou em baixas velocidades. Além de ganhar peso adequadamente, sua calibragem permite interação do motorista com as rodas, pois é mais direta, menos anestesiada, um acerto que casa perfeitamente com a esportiva posição ao volante.

Crédito: Amintas Vidal

Rodando – A grande rigidez da plataforma MQB é responsável por uma característica que observamos em todos os modelos que usam essa arquitetura. O carro se mantém estável, não sofre com torções, e as suspensões trabalham mantendo a carroceria mais estabilizada que em modelos de outras marcas.

A calibração de molas e amortecedores entrega muita estabilidade, opção que, normalmente, sacrifica o conforto. Mas, no Taos, percebemos que este desconforto é amenizado, tanto pelas suspensões independentes nos dois eixos, como por essa estrutura sólida do monobloco.

Como não existe milagre, com o acerto mais voltado para a estabilidade, vibrações são sentidas no volante e na cabine, mas nada que tire o prazer de dirigir um SUV com respostas dinâmicas semelhantes às de um bom sedan.

O conjunto motor e câmbio corrobora nesse deleite. Não transformam o Taos em um esportivo, certamente, mas entregam desempenho e precisão na condução. O motor garante arrancadas espertas e retomadas seguras.

O câmbio faz trocas suaves e antecipadas, deixando o carro aproveitar o deslocamento por inércia, colaborando com o baixo consumo e o silêncio a bordo. No modo Sport, as marchas são alongadas e o silêncio é quebrado mais frequentemente, o preço pago por uma tocada mais esportiva.

Usar o modo manual, trocando as marchas na alavanca ou nas aletas, tanto para acelerar, quanto para reduzir com o freio motor, são intervenções muito eficientes, pois a programação permite que o motor trabalhe em rotações elevadas nas duas situações.

A maior vantagem da plataforma MQB é a alta tecnologia estrutural. Com ela, os carros da Volkswagen são superiores na proteção da vida humana em acidentes severos. Todos os modelos sobre essa base receberam classificação máxima nos testes de colisão realizados pelo Programa Europeu de Avaliação de Novos Carros (Euro NCAP), cinco estrelas, e seus percentuais de proteção são os mais altos nas suas respectivas categorias, ou estão entre os mais elevados.

No Programa de Avaliação de Carros Novos para América Latina e o Caribe (Latin NCAP), todos os modelos projetados sobre a plataforma MQB são os mais seguros em seus segmentos e suas notas obtidas são muito maiores do que as dos seus concorrentes diretos.

O Taos, avaliado recentemente, é o primeiro e único modelo a obter cinco estrelas no atual protocolo da entidade. De todos os nove carros avaliados nesta nova fase, sete zeraram, um obteve uma estrela e só o Taos gabaritou.

Consumo – O VW Taos se saiu bem em nossos testes padronizados de consumo usando etanol. No circuito rodoviário, realizamos duas voltas no percurso de 38,4 km, uma mantendo 90 km/h e outra os 110 km/h, sempre conduzindo economicamente. Na volta mais lenta atingimos 12,6 km/l e, na mais rápida, 11,1 km/l.

Em nosso circuito urbano de 6,3 km realizamos quatro voltas, totalizando 25,2 km. Simulamos 20 paradas em semáforos com tempos entre 5 e 50 segundos. Vencemos 152 metros entre o ponto mais alto e o mais baixo do acidentado percurso.

O SUV da Volkswagen finalizou o teste com 7,1 km/l. Vale observar que o sistema stop/start, que poderia ajudar no consumo, não funcionou neste circuito. Para manter o ar-condicionado na temperatura regulada e vencer tantas subidas no trajeto, o motor não foi desligado durante o teste.

O VW Taos pode não ser tão atrativo visualmente quanto o Compass, nem aparentar tanto requinte interno, mas entrega dirigibilidade superior, além de ser mais espaçoso e, certamente, muito mais seguro do que o modelo da Jeep.

O VW Taos Comfortline tem preço e equipamentos equivalentes ao Jeep Compass Longitude e é uma ótima opção à essa versão, a mais vendida do líder da categoria.

* Sobre o autor: Colaborador
Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!