COTAÇÃO DE 17/09/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,2820

VENDA: R$5,2820

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,3100

VENDA: R$5,4500

EURO

COMPRA: R$6,2293

VENDA: R$6,2322

OURO NY

U$1.754,86

OURO BM&F (g)

R$298,96 (g)

BOVESPA

-2,07

POUPANÇA

0,3012%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

DC Mais

A literatura de Fernando Moreira Salles

COMPARTILHE

Crédito: Divulgação
*Jornalista. Doutor em literatura. Presidente da Academia Mineira de Letras
Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

Lançado em 1993, “Memorando” foi escrito por Fernando Moreira Salles em parceria com o jornalista mineiro Geraldo Mayrink, merecendo edição ampliada em 2019. Qualificado como um ‘exercício despretensioso sobre a memória’, sobretudo sobre as recordações da juventude passada no Rio de Janeiro entre as décadas de 50 e de 70, o livro foi adaptado para teatro em 1995, gerando a peça “Eu me lembro”, um monólogo que ganhou o palco em duas montagens: a de São Paulo, com Irene Ravache, e a de Santa Catarina, com Paulo José. A segunda incursão de Moreira Salles pela dramaturgia se deu com “Entrevista”, de 1998, uma história de amor que aborda o próprio fazer teatral e a dificuldade de comunicação entre as pessoas. O protagonista é um autor isolado em um sítio que resolve conceder uma entrevista à ex-mulher.

 A estreia de Moreira Salles na poesia se deu com “Ser longe”, de 2003, em edição enriquecida pelos elegantes desenhos de Iole de Freitas. A ‘orelha’ do livro já anuncia os temas que constituem o seu universo lírico: a infância, o afeto e o silêncio, entre outros. Gosto especialmente dos textos que abordam a relação entre o poeta e a sua produção, como “Hubble”: ‘Verso meu/calado/sopro amargo/perdido em mim/aventura/noite adentro/estrela extinta/luz/que não chega a ti.’ Os mistérios da voz poética são insinuados em “Aspetta il barítono”: ‘Não,/ não tenho outra voz/além da que calo/ Só que essa/é sua’.

PUBLICIDADE

 “Habite-se” surgiu em 2005 e, na avaliação de José Mindlin, ‘demonstra a delicadeza’ das ideias de Moreira Salles. A opinião de Antônio Cândido também aparece nesse volume: “Mensagens muito densas, apenas sugeridas, se exprimem com o mínimo possível de palavras, abrindo para o leitor um universo cheio de flutuações de sentido, que vão pouco a pouco impregnando a sensibilidade e criando o desejo da releitura – marca da verdadeira poesia”. De novo, interesso-me pelos poemas que se debruçam sobre as experiências do poeta com a linguagem, fenômeno a um só tempo forte e frágil, como se nota em “Declaração de bagagem”: ‘Meu verso/certa medida/da tarde que resta/ palavra exausta/ à busca/ dos deuses silentes/e da beleza/ que inventamos/ um dia/ no horror do instante/Meu verso/inútil quadratura/só canto e compasso/escassa/ rouca voz/ no vento”.

 “A chave do mar”, de 2010, explora o imaginário marinho, criando o que se chamou de ‘dicção de espuma’. Mais uma vez, meu foco recai sobre os poemas que refletem sobre a condição do poeta e de suas criações, como ocorre em “Beleza”: ‘Sua luz/me toca/no vazio/onde mora o poeta’, ou em “Amiga”: ‘Esta noite/trago/um verso/ esta baça/risível luz’.

 Finalmente, em “Diário do Porto Pim – e outros poemas”, de 2020, Moreira Salles republica várias das composições presentes nas obras anteriores, a elas acrescentado produções novas, como “Peregrino”, que termina assim: ‘Caminho/porque em mim/me perco/Caminho/dia afora/sonho adentro/porque é preciso’.

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!