Crédito: Guilherme Dardanhan - ALMG

A Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) promove mais uma semana de atrações culturais virtuais para o público, durante esse período de distanciamento social causado pela pandemia de Covid-19.

O projeto de apoio e fomento à cultura Minas Arte em Casa traz concerto de música espanhola, teatro infantojuvenil abordando o isolamento social, dança com o foco no diálogo e na convivência à distância, além de vídeo em homenagem ao poeta Oscar José Medeiros Jr. e de música flamenca com sentimento de saudade.

Os encontros serão realizados a partir desta segunda-feira (14) e até a próxima sexta-feira (18), todos às 19 horas, pelo Instagram do Assembleia Cultural, pela TV Assembleia e pelo YouTube da ALMG. Depois das estreias, as apresentações continuam disponíveis nas redes sociais da Casa.

A programação traz sempre, às segundas-feiras, performances de música erudita; as terças são destinadas ao teatro infantil e juvenil; às quartas, são exibidos espetáculos de dança; às quintas, entra em cena o teatro adulto. Para encerrar a semana, na sexta-feira, música popular.

Desde 3 de agosto e até o dia 25 de setembro, 40 artistas selecionados pelo Minas Arte em Casa se apresentam pelos canais da ALMG. O projeto integra o programa Assembleia Cultural e tem como objetivo colaborar para o enfrentamento da crise econômica do setor causada pela Covid-19.

Repertório espanhol – A atração desta segunda-feira é o Quarteto de Violões Horizontes. O concerto “Fandango!”, que tem como conceito musical a essência do repertório espanhol, é centrado no gênero fandango. Serão apresentadas obras de Luigi Boccherini e Federico Moreno Torroba.

Luigi Boccherini é italiano mas viveu boa parte de sua vida na Espanha, com forte influência desse estilo sonoro. Já a peças do compositor espanhol Federico Moreno Torroba, que serão apresentadas, exploram as várias vertentes do repertório espanhol, percorrendo desde a música ritmada e festiva até as melodias cativantes e singelas, dotadas de sentimentalismo.

Fundado em 2015, o quarteto completa cinco anos de trajetória. O grupo se formou na Escola de Música da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), onde, na época, seus integrantes cursavam o bacharelado em violão. O quarteto é formado pelos violonistas Leonardo Araujo Alves, Roger Deboben, João Pedro Morales e Dinobergue Viana.

Os músicos já se apresentaram em diversos festivais, como na série Palco Livre, do Conservatório da UFMG e no Viva Música, da Escola de Música da UFMG.

Já na terça-feira (15), haverá contação de histórias para público infanto-juvenil. “Adoção” é uma contação de história ilustrada que nasce da necessidade das escritas cotidianas dentro do confinamento social devido à Covid-19. A apresentação é uma forma lúdica de extravasar a conexão diária que a artista Éle Fernandes tem vivenciado com a natureza e suas minúcias.

O uso da mão como personagem foi inspirado na infância da atriz, que adorava criar vários seres usando o próprio corpo, sem limites para a imaginação, brincando de ser humano, natureza ou animal. O confinamento, por sua vez, permitiu que a apresentação utilizasse elementos presentes na casa da artista: redes, sombras, madeiras, texturas e luz, o que traz uma sensação de intimidade e simplicidade à narrativa.

Éle Fernandes é atriz, formada pelo curso técnico Teatro Universitário da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Também tem formação no curso básico de Teatro do Centro de Formação Artística (Cefart) e em Artes Visuais, Circo, Dança, Música e Teatro com ênfase em Circo, pelo Núcleo Valores de Minas. Alguns trabalhos de Éle Fernandes, inclusive com participação em mostras e festivais, foram: “Os negros”, “Festa bacana”, “Sinal vermelho”, “Não sou boneca” e “O amor tá na rua”. (As informações são da ALMG)