COTAÇÃO DE 21-01-2022

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,4550

VENDA: R$5,4550

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,4870

VENDA: R$5,6130

EURO

COMPRA: R$6,1717

VENDA: R$6,1729

OURO NY

U$1.829,52

OURO BM&F (g)

R$320,53 (g)

BOVESPA

-0,15

POUPANÇA

0,6107%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

DC Mais

Artesanato do Jequitinhonha é tema de audiência na UFMG

COMPARTILHE

" "
Créditos: Divulgação

Para que as manifestações artísticas do Vale do Jequitinhonha sejam preservadas é preciso uma articulação permanente entre artesãos e poder público. Durante a 20ª Feira de Artesanato do Vale do Jequitinhonha na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), será realizada hoje, a partir das 8h30, no auditório da reitoria, no campus Pampulha, a audiência pública “Artesanato Mineiro: perspectiva da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG)”. A participação é aberta a todos os interessados.

Serão discutidos aspectos importantes para as políticas públicas estaduais, além da elaboração de propostas para a execução do Plano Quadrienal do Artesanato Mineiro, aprovado com a participação da sociedade civil em 2018.

PUBLICIDADE




Para a pró-reitora de extensão da UFMG, Cláudia Mayorga, “discutir o artesanato em Minas Gerais é de grande interesse público, pois existe uma relação direta com as questões econômicas e sociais do nosso estado. Estamos buscando unir esforços para enfrentar as dificuldades que têm se apresentado em Minas Gerais e no País, tanto na dimensão econômica quanto na social”, afirma.

A presidente da Associação dos Artesãos de Coqueiro Campo, de Turmalina, Terezinha Lopes dos Santos, também reconhece a relevância do encontro.

“Para nós é muito importante uma audiência pública, pois ainda temos dificuldades, como o transporte dos artesãos e das peças, a hospedagem, a participação em feiras de outros estados e a divulgação”, ressalta.

A realização da audiência durante a 20ª Feira de Artesanato do Vale do Jequitinhonha reafirma o compromisso público da UFMG, por meio de seus vários projetos de ensino, pesquisa e extensão, em buscar soluções conjuntas para o desenvolvimento regional, geração de ocupação e renda, além da valorização de nossos bens culturais. A organização da feira é feita pela Diretoria de Ação Cultural da UFMG (DAC) em parceria com a Pró-Reitoria de Extensão (Proex) e com o Polo Jequitinhonha.




A ideia de realizar uma feira, com programação cultural até o próximo sábado, que pudesse colocar os artesãos do Vale do Jequitinhonha em evidência na capital mineira surgiu em setembro de 2000, período da Semana do Conhecimento da UFMG. No ano seguinte, foi decidido que era melhor realizá-la na semana que antecede o dia das mães, data comercialmente mais favorável.

Em 2003 realizou-se o diagnóstico do artesanato do Vale com os artesãos presentes. Também foram criadas publicações para orientá-los no sentido de organização de cooperativas e associações, uma demanda deles próprios. Desde então, na tentativa de promover o diálogo entre os saberes acadêmicos e populares, artesãos vêm ministrando diversas oficinas como de cerâmica, trançado em taboa, bordado, tecelagem, dentre outras, na Escola de Belas Artes e no Centro Pedagógico da UFMG.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!