COTAÇÃO DE 25/05/2022

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$4,8200

VENDA: R$4,8210

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$4,8900

VENDA: R$5,0160

EURO

COMPRA: R$5,1520

VENDA: R$5,1546

OURO NY

U$1.853,68

OURO BM&F (g)

R$287,13 (g)

BOVESPA

-0,98

POUPANÇA

0,6724%

OFERECIMENTO

DC Mais

Centros culturais retomam atividades

COMPARTILHE

Crédito: RicardoLaf/FMC

A Secretaria Municipal de Cultura e a Fundação Municipal de Cultura completaram, no último sábado, o ciclo de reabertura ao público dos centros culturais da Capital.

As atividades presenciais retornaram aos centros culturais Alto Vera Cruz, Liberalino Alves de Oliveira, Vila Fátima, Vila Santa Rita, Urucuia e Zilah Spósito. Eles se juntam às unidades do Jardim Guanabara, Pampulha, Salgado Filho, São Geraldo, Usina da Cultura, Urucuia, Vila Marçola, Venda Nova, São Bernardo, Lindeia Regina, Padre Eustáquio e Bairro das Indústrias, que foram reabertas em outubro e no início deste mês.

PUBLICIDADE




As bibliotecas instaladas nestes centros culturais também retomam suas atividades presenciais. Os usuários deverão seguir os protocolos de prevenção à Covid-19 vigentes no município, entre eles o uso de máscaras e a higienização das mãos. 

Os centros culturais permanecem abertos para as atividades presenciais de quarta a sexta-feira, das 12h às 20h, aos sábados, das 9h às 17h e no primeiro domingo do mês, das 9h às 17h (exceto o Centro Cultural Usina da Cultura, que não abrirá aos domingos). O acesso do público aos centros culturais, bem como às bibliotecas, é livre, não sendo necessário agendamento prévio. Entretanto os espaços estão sujeitos a lotação específica de acordo com o protocolo de prevenção à Covid-19. Já para o uso dos espaços (ensaios e eventos), para inscrições nas atividades de formação, além da retirada dos ingressos será necessário acessar o Portal da Prefeitura de Belo Horizonte (PBH)- nos sites pbh.gov.br/reaberturacentrosculturais e pbh.gov.br/reaberturabibliotecas.

Para a secretária municipal de cultura e presidenta interina da Fundação Municipal de Cultura, Fabíola Moulin, a reabertura destes espaços culturais é um passo importante e representativo da retomada do setor cultural na cidade. Estão disponíveis nos centros culturais a visitação às exposições de artes visuais, o uso dos computadores do Telecentro e o acesso às áreas externas dos equipamentos.

Já nas bibliotecas, o retorno gradual oferece acesso ao acervo integrado das 22 unidades da Rede de Bibliotecas da Fundação Municipal de Cultura, com o serviço de empréstimo de livros e de publicações, bem como o serviço de referência ao leitor. Por meio do site, será possível a consulta virtual ao acervo bibliográfico, pelo sistema Pergamum, e a reserva e agendamento para retirada e/ou devolução do material presencialmente, de forma ágil, sem permanência no espaço ou acesso às estantes, como medida de prevenção à Covid-19. 

PUBLICIDADE




Neste momento de retomada, os centros culturais oferecerão uma programação híbrida, que contemplará as atividades presenciais e também as virtuais do “Centros Culturais em Rede”, que já vinham sendo ofertadas, com a maior parte das ações promovidas pelo YouTube da Fundação Municipal de Cultura. Toda a programação oferecida nestes espaços é gratuita.

Programação presencial – O Centro Cultural Venda Nova apresenta a exposição “TV Itacolomi – A Pioneira de Minas”. Desenvolvida pelo Museu da Imagem e do Som de Belo Horizonte, a mostra apresenta a trajetória da primeira emissora de televisão do Estado, reunindo fotografias, depoimentos, objetos e registros audiovisuais em que são retratados o contexto histórico, artístico e de comunicação da TV. A exposição fica em cartaz até 22 de janeiro.

O CCVN também traz no dia 4 de dezembro o “Café com Saberes – Encontro”, com a mediação do Mestre Paulino Caldeira Barros. Trata-se do compartilhamento de experiências acerca do uso das ervas e plantas utilizadas como medicinais, para cura ou prevenção de doenças, alimentação natural e dicas para o bem-estar. As inscrições podem ser feitas no Portal da PBH –pbh.gov.br/reaberturacentrosculturais.

Já o Centro Cultural Pampulha traz ao público a partir de amanhã a exposição “Cidade de Ouro Preto”. A mostra fotográfica dos artistas Bruna Araujo e Hebert Santos põe em questão a materialidade da arte de culturas nativas brasileiras e até quanto os fundamentos formais dão conta de fazer a leitura da trajetória histórica do Brasil e Ouro Preto.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!