COTAÇÃO DE 26/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6270

VENDA: R$5,6270

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6730

VENDA: R$5,8030

EURO

COMPRA: R$6,6420

VENDA: R$6,6450

OURO NY

U$1.792,47

OURO BM&F (g)

R$327,87 (g)

BOVESPA

-1,34

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

DC Mais

CURTAS DC MAIS | 03/09

COMPARTILHE

Crédito: Freepik

Efemeridades perenes

A Dobra Editorial lançou a poesia de Emanuel Medeiros Vieira em “Penúltimo Dia” (2012). O poeta é um matemático que não é levado a sério, como aquele velho que cochila o sofá. Os poemas trazem algum conforto por dizeres que apontam, em tempos de concreta e virtual incoerência, “que a dor é tão velha que pode morrer”. Um trecho do poema “Eras” alerta: “Um está pobre/Outro à míngua/Passa a Era de Gutemberg/A Digital também passará/Como nós apenas passamos”. Tranquilidade, para bom leitor, meia palavra basta. A base da inteligência, seja ela da natureza que for, será sempre matemática, lógica e, em suas múltiplas linguagens, obediente às gramáticas. Se no princípio era um “verbo”, um verbo não há de ser um fim em si mesmo. O “Penúltimo Dia” será sempre véspera de um dia que se inicia, diz Emanuel, o poeta.

Futuro das artes em cena

A série de podcasts “Amanhãs: O Futuro das Artes da Cena” aborda o teatro em sua primeira temporada e propõe, em seis episódios, uma reflexão sobre os desafios da cena no pós-pandemia. Com realização da Pólobh e apoio Cultural do Sesc em Minas, a estreia acontece hoje, com seis episódios quinzenais. O primeiro episódio terá as participações do diretor de teatro e dramaturgo, Rodrigo Portella (RJ), e da atriz, diretora de teatro e professora de interpretação teatral, Raquel Castro (MG), em um bate-papo sobre “Direção Teatral”. O podcast da Polobh pode ser acompanhado nas principais plataformas de streamings e podcasts. Os episódios visam refletir, a partir dos elementos que estruturam o fazer teatral, o futuro das artes da cena a partir dos desafios impostos pela Covid-19.

“Domingo no museu”

PUBLICIDADE

No quintal da casa de Juscelino Kubitschek os cantores, violonistas e compositores Vitor Santana e Sergio Santos assumem o microfone e os instrumentos e apresentam um repertório com influências do samba. O encontro foi no espaço projetado por Oscar Niemeyer para o ex-presidente, na Pampulha, em Belo Horizonte, onde hoje funciona o Museu Casa Kubitschek. O público pode aplaudir o show direto de casa, acompanhando o programa Hypershow, da Rede Minas, amanhã, ás 17h. O evento aconteceu em julho e chega agora à TV. A apresentação fez parte do “Domingo no museu”, realizado pela Veredas Produções em formato on-line. Vitor abre o espetáculo. Na sequência, recebe Sergio Santos para um set em duo. Depois, o show continua com Santos mostrando um repertório baseado nos seus sambas, além de composições de outros expoentes do gênero, como Noel Rosa, Dorival Caymmi, Tom Jobim e Paulinho da Viola. O público também pode acompanhar o programa, no mesmo horário, pelo site da emissora: redeminas.tv.

“Tambor na Praça”

Começa neste mês a edição de 2021 do “Tambor na Praça”. O projeto, idealizado por Mauricio Tizumba, será realizado pelo segundo ano em formato virtual em virtude da pandemia. O multiartista convida sete artistas para se apresentarem no Teatro Santo Agostinho. As apresentações serão transmitidas ao vivo e podem ser acompanhadas on-line e gratuitamente pelo YouTube da Cia. Burlantins (youtube.com/CiaBurlantins), sempre às 20 horas. Amanhã, Tizumba recebe o músico Cid Ornelas, que abre a edição deste ano. A programação segue com dobradinhas de Tizumba Paulo Santos (5 de setembro), Luísa Mitre (12 de setembro), Cleber Alves (13 de setembro), Theo Lustosa (2 de outubro), Laércio Vilar (3 de outubro) e Camila Rocha (9 de outubro).

“Paisagens do Isolamento”

Até 15 de outubro, o fotógrafo Daniel Mansur apresenta, no site do Memorial Vale, a exposição “Paisagens do Isolamento”. As fotos foram registradas entre as quatro paredes da casa do autor durante o isolamento. As projeções de luzes e sombras revelam paisagens singulares e cheias de significados. A exposição foi selecionada pela Convocatória de Programação do Memorial Vale 2021 e integra o projeto Mostra de Fotografia do Memorial Vale. Daniel Mansur é fotógrafo de Belo Horizonte, formado em publicidade pela PUC Minas em 1987. Atua na fotografia autoral, de arte, publicitária, arquitetura e editorial. Já realizou dezenas de exposições, no Brasil e no exterior.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!