Crédito: REUTERS / Alessandro Garofalo

Roma – Ennio Morricone, compositor italiano cujas trilhas sonoras arrepiantes de faroestes espaguete como “Por Um Punhado de Dólares”e “Três Homens em Conflito”, de Sergio Leone, ajudaram a definir uma era do cinema, morreu aos 91 anos, disse seu advogado nessa segunda-feira (6).

Morricone havia fraturado o fêmur dez dias atrás e morreu “ao amanhecer” em uma clínica de Roma, disse Giorgio Assumma à Reuters, confirmando reportagens anteriores do serviço de notícias italiano Ansa.

Nascido em Roma em 1928, Morricone compôs trilhas sonoras para cerca de 400 filmes, mas seu nome foi associado ao do diretor Sergio Leone, com o qual trabalhou em faroestes espaguete e no drama criminal épico “Era Uma Vez na América”.

Morricone atuou em quase todos os gêneros de filme, do horror à comédia, e algumas de suas melodias talvez sejam mais famosas do que os títulos para os quais as compôs.

Ele foi autor de obras-primas como as trilhas compostas para “A Missão”, “Os intocáveis” e “Cinema Paradiso”, de Giuseppe Tornatore.

Ennio Morricone ganhou dois Oscar e dezenas de outros prêmios, incluindo Globos de Ouro e Grammys O último Oscar veio em 2016, com a melhor trilha sonora original de “Os Oito Odiados”, dirigido por Quentin Tarantino. Segundo a agência Reuters, inicialmente, Morricone recusou o trabalho, mas depois cedeu, exigindo que Tarantino lhe permitisse uma “ruptura total com o estilo dos filmes ocidentais”

”Lembraremos para sempre, com gratidão infinita, o gênio artístico do maestro Ennio Morricone. Ele nos fez sonhar, nos comoveu… compondo notas memoráveis que serão inesquecíveis na história da música e do cinema”, escreveu o primeiro-ministro da Itália, Giuseppe Conte, no Twitter.

O funeral do compositor será uma cerimônia particular, “em respeito à humildade que inspirou toda a sua vida”, disse Assumma.

O produtor de cinema e conterrâneo Aurelio De Laurentiis disse: “Com Ennio Morricone se vai uma parte do cinema mundial. Sua humildade, combinada com uma grandeza da qual nunca se gabou, lhe permitiu apoiar filmes grandes e pequenos, dando-lhes uma alma única que os tornou perfeitos e inesquecíveis”.

Morricone deixa a esposa, Maria, e os três filhos, Andrea, compositor e maestro, Giovanni e Marco e a filha, Alessandra. (Reuters)