COTAÇÃO DE 04/05/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,4300

VENDA: R$5,4310

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,4170

VENDA: R$5,5930

EURO

COMPRA: R$6,5464

VENDA: R$6,5493

OURO NY

U$1.779,24

OURO BM&F (g)

R$311,42 (g)

BOVESPA

-1,26

POUPANÇA

0,1590%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

DC Mais

Filmes abordam direitos humanos

COMPARTILHE

#DC Mais | Imagem: Pexels / Arte: Will Araújo
#DC Mais | Imagem: Pexels / Arte: Will Araújo

A partir de hoje e até o próximo domingo será realizada a mostra gratuita e on-line “Cine Direitos Humanos 21 – Olho no Olho”, composta por 78 filmes, sendo muitos históricos, outros inéditos, criativos, divertidos, dramáticos, provocativos e inspiradores. Com curadoria de Beatriz Goulart, Alexandre Pimenta e Rita Cupertino, a programação conta com curtas, animações, médias e longas-metragens de temáticas variadas e para um público de diferentes idades.

O objetivo é retratar um pouco a enorme diversidade de temas que refletem as humanidades e suas escolhas, revelando potencialidades pessoais e coletivas no enfrentamento de ataques aos princípios que regem a carta de Declaração Universal dos Direitos Humanos.

PUBLICIDADE

Para assistir os filmes, basta se cadastrar no site da Polo Audiovisual e, a partir de hoje, acessar “Cine Direitos Humanos 21 – Polo Audiovisual TV”. Os filmes estão agrupados nos programas Tempo Suspenso, Ocupa, Diversidade e Luta, Contemporaneidades, Políticas Extremas, Infâncias, Juventudes, Africanidades e Janelas.

Em um momento político autoritário, espelho e motor de uma sociedade extremamente normativa, ainda casa grande, ainda senzala, o que foge ao que se convencionou chamar de civilidade é considerado barbárie, e em nome da normatização a sociedade tende a barbarizar o que não é comum. As sociedades enrijecidas tornam-se permeáveis ao espelhamento não crítico, momento onde os falseamentos encontram terreno fértil para serem assumidos como verdades.

Nesse contexto, o evento traz filmes como “Virou Brasil”, onde os índios ironizam os estratagemas da cultura dominante para diminuí-los e roubá-los; “Essa Terra é Nossa” e “Guardiões da Floresta”, com suas histórias de lutas para defesa de território; e “Chuva é Cantoria na Aldeia dos Mortos”, que mostra as dificuldades de ser um indígena no Brasil contemporâneo.

Outros filmes perturbadores, essenciais nesse momento são “eagoraoque”, dos cineastas Jean-Claude Bernardet e Rubens Rewald; “Dona Sônia pediu uma arma para seu vizinho Alcides”; “Para onde voam as feiticeiras”, que aponta para os preconceitos de gênero e raça; os artísticos “Sanã”, “Obatalá”, e “Preta-Prata”; e o que se poderia chamar de filme de resistência – “Morcega” -, entre outros curtas feitos com jovens em situação prisional e que experimentam falar de si, sem a própria imagem, sem nomes próprios e sem lugar. Daí a importância de uma mostra de direitos humanos ser também etnográfica, antropológica e artística, evidenciando a resistência e observando com olhos lavados a infância e a delicadeza da sociedade dos quintais, do não capitalismo definindo relações.

A programação traz também filmes belíssimos sobre o brincar na terra batida, nas regiões brasileiras, com diferentes geografias e sotaques. E há documentários sobre a pandemia e a clausura, as dificuldades e descobertas desse novo viver. Ampliar o olhar, encostar o olho no olho, sair do controle da mídia e retomar o poder político de encarar o outro e a si mesmo, sentir o alcance das mãos, dos punhos, acessar sentimentos amortecidos, recobrar o poder das ruas, voltar a se revoltar.

A mostra contará com três lives com especialistas das áreas de saúde pública, educação e política, com participação de pessoas de grande influência na cidade de Belo Horizonte e com projeção nacional. As conversas ocorrerão hoje, amanhã e na próxima sexta-feira, a partir das 19h.

Acompanhe a programação nas redes sociais e na plataforma.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!