COTAÇÃO DE 26/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6270

VENDA: R$5,6270

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6730

VENDA: R$5,8030

EURO

COMPRA: R$6,6420

VENDA: R$6,6450

OURO NY

U$1.792,47

OURO BM&F (g)

R$327,87 (g)

BOVESPA

-1,34

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

DC Mais

FLI-BH tem início hoje com mais de 50 atrações

COMPARTILHE

Crédito: Thainá Nogueira

O Festival Literário Internacional de Belo Horizonte (FLI-BH), realizado pela Prefeitura de Belo Horizonte (PBH), por meio da Secretaria Municipal de Cultura e da Fundação Municipal de Cultura, começa hoje com diversas atrações e prossegue até o próximo domingo. As atividades concentram-se no Parque Municipal Américo Renné Giannetti (avenida Afonso Pena, 1.377, Centro). As oficinas ocorrem no Parque e no Centro de Referência da Juventude (Praça da Estação, s/n, Centro) e a Mostra de Cinema, no MIS Cine Santa Tereza (rua Estrela do Sul, 89, Santa Tereza).

Abordando a temática “Do Livro à Voz: Narrativas Vivas” e com curadoria da poeta Nívea Sabino e da ilustradora Marilda Castanha a terceira edição do FLI-BH apresenta ao público mineiro cinco dias de programação gratuita e diversificada. Serão ofertados ao longo da temporada mais de 50 atrações, divididas entre palestras, rodas de conversa, oficinas, saraus, narrações de histórias, exposições, espaço literário, lançamentos de livros e sessões de autógrafos com escritores e escritoras independentes, mostra de cinema e literatura, biblioteca e intervenções urbanas.

PUBLICIDADE

Um destaque é a participação de grandes escritores, ilustradores, críticos e especialistas nacionais e internacionais. Do Brasil, estão participando, por exemplo, o poeta e artista visual Ricardo Aleixo (BH); a contadora de histórias Édina Calegaro (SC); o ilustrador Edson Ikê (SP); o poeta e agitador cultural Sérgio Vaz (SP); o escritor, roteirista e dramaturgo Marcelo Rubens Paiva (SP) e o autor de mais de cem livros infanto-juvenis Ivan Zigg (RJ). Já do exterior a programação conta com a argentina Anabella López, ilustradora e escritora; Cláudia Magnani (Itália), antropóloga e professora de literatura italiana na Fundação Torino e a artista Cláudia Manzo (Chile).

Homenagem – O FLI-BH homenageia o poeta Adão Ventura (1939-2004), mineiro nascido em Santo Antônio do Itambé, e autor do clássico “A cor da pele” – importante conjunto de poemas sobre o tema da negritude e do racismo. De acordo com a curadora e poeta Nívea Sabino, reverenciar o legado de Adão Ventura em um evento como o FLI-BH passa por um desejo realizado de propor um olhar sobre nós e, também, de sair do campo das repetições.

“A pluralidade e diversidade das produções literárias no Brasil são enormes. Porém, reverenciam-se sempre nomes corriqueiros da nossa literatura. Considerado um dos maiores poetas brasileiros do século XX, pouco se lê ou ouve falar sobre Adão Ventura. Portanto, o FLI-BH é um convite a ampliar o olhar, um convite à leitura, ao desconhecido”, explica.

Sobre a temática e todos os seus recortes, a também curadora e ilustradora Marilda Castanha destaca que o FLI-BH abarca necessidades tanto atuais como históricas. Por isso, a obra de Adão Ventura dialoga tão bem com o tema desta edição, “Do Livro à Voz: Narrativas Vivas”.

“Se voltarmos para a questão das ‘narrativas vivas’ encontramos produções do poeta, se pensarmos em memórias, tradições e dar voz a invisibilidades históricas também. Por outro lado, se considerarmos produções contemporâneas a obra de Adão Ventura também é lembrada”, relata.

“Dificilmente não se encontrará na obra de um artista negro algo que denuncie ou aponte as condições sociais das quais estamos sujeitos no mundo. Creio que Adão Ventura está vivo. A identificação que se cria ao ler a sua obra é direta: trata-se do mesmo grito de poetas negros (e negras) que assim como ele, através da arte, ofertam um revide lindo para este país. Um revide poético. Quando algo que foi escrito e dito lá atrás permanece latente e vivo no nosso tempo, é sinal de que estas narrativas estão vivas. E é preciso ter voz para gritá-las ao mundo e registrar nos livros e suportes possíveis”, salienta Nívea Sabino.

Além da homenagem ao grande poeta Adão Ventura, o FLI-BH traz como destaque em sua programação, menção honrosa a dois renomados escritores: a carioca radicada em Minas Gerais, Leda Maria Martins, e o mineiro do Vale do Rio Doce, Ailton Krenak. (Da Redação)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!