Crédito: Paulo Lacerda/FCS

As inscrições para o 6º Prêmio BDMG Cultural/FCS de Curta-Metragem de Baixo Orçamento já estão abertas. Esta edição foi adaptada para uma nova modalidade de execução diante da situação de enfrentamento do novo coronavírus (Covid-19) e propõe a temática norteadora “Instante Suspenso: narrativas de um tempo de isolamento”, buscando novas reflexões sobre os desafios do tempo presente e retratos históricos deste momento.

O edital tem como objetivo premiar e estimular a cadeia produtiva voltada para profissionais independentes do cenário audiovisual mineiro, e integra o Projeto Arte Salva, iniciativa do governo de Minas Gerais que reúne uma série de ações de apoio às cadeias produtivas da cultura e turismo.

Os candidatos devem realizar a inscrição de um curta-metragem inédito e finalizado, produzido em condição de isolamento social, contando com uma estrutura mais simplificada de produção – as filmagens podem ser feitas inclusive por aparelhos celulares. A nova edição aumenta o número de curtas-metragens premiados para 20, com premiação no valor de R$ 6.000,00 cada e duração máxima de dez minutos.

A decisão de conceder o prêmio a obras já finalizadas tem o objetivo de encurtar o tempo de produção – estimulando a criação de filmes mais exequíveis para a realidade de quarentena e também acelerando o processo do recebimento do recurso disponível para a ação.

“O Edital de curtas-metragens de baixo orçamento está em sua 6ª edição, e entendemos – BDMG Cultural e FCS – que era preciso adapta-lo à realidade do momento e, mais do que isso, refletir sobre ela. É uma oportunidade não somente de ampliar a participação de produtores de audiovisual em relação a edições anteriores, mas também de produzir um registro histórico e artístico do tempo de isolamento social e crise sanitária que estamos vivendo em 2020”, ressalta a diretora-presidente do BDMG Cultural, Gabriela Moulin Mendonça.

Para a presidente da Fundação Clóvis Salgado, Eliane Parreiras, o novo formato do Edital será fundamental para fomentar a cadeia produtiva do audiovisual e realizadores mineiros em tempos profissionalmente incertos como vivemos agora.

“Buscamos criar novos modelos de produção e formas de interação em toda a programação do Cine Humberto Mauro e nos editais de fomento ao audiovisual, de acordo com a realidade social de isolamento. É necessário torna-los acessíveis, com o intuito de estimular, apoiar e desenvolver o setor e as produções independentes do cenário audiovisual”, destaca.

Pessoas jurídicas – Poderão concorrer ao 6º Prêmio BDMG Cultural/FCS de Curta-Metragem de Baixo Orçamento como proponentes apenas pessoas jurídicas, incluindo microempreendedor individual (MEI), cujos sócios ou responsáveis legais sejam profissionais do setor audiovisual residentes em Minas Gerais.

As inscrições são gratuitas e devem ser feitas exclusivamente a partir do preenchimento de formulário on-line, cujo link estará disponível no site do BDMG Cultural e da FCS. Os proponentes poderão inscrever apenas uma proposta cada, e devem anexar ao formulário a documentação solicitada no Edital.

A análise e seleção das propostas inscritas serão feitas por uma comissão de seleção, especialmente indicada para esse fim, pelo BDMG Cultural e pela FCS. O julgamento terá como critérios de avaliação as propostas estéticas e conceituais que utilizem criativamente de meios de produção a baixo custo; a relevância conceitual; a inovação; o impacto social e cultural; e a pertinência ao tema proposto.

Todos os 20 filmes premiados serão exibidos em plataformas on-line e em mostras gratuitas e presenciais no Cine Humberto Mauro. As exibições presenciais serão realizadas tão logo as instruções para o enfrentamento do Covid-19 determinarem os protocolos sanitários para a realização segura de tal atividade.

Acessibilidade – Como proposta de acessibilidade, será lançada uma versão com audiodescrição do edital. As versões acessíveis dos 20 curtas-metragens selecionados serão disponibilizadas em plataformas on-line, ampliando o acesso ao conteúdo.

Criado em 2013, o prêmio é uma parceria entre a FCS e o BDMG Cultural, que visa incentivar a produção audiovisual em Minas Gerais ao oferecer aos realizadores a possibilidade de desenvolver novas propostas estéticas e conceituais que utilizem ferramentas tecnológicas de baixo custo e fácil acesso para sua produção.

O prêmio nasceu com o objetivo de complementar o estímulo à cadeia produtiva do audiovisual pela FCS, com apoio à produção, que se juntou à difusão, promoção e formação já incorporados na atuação do Cine Humberto Mauro e das atividades formativas do BDMG Cultural.

Nas últimas cinco edições, o prêmio reconheceu realizadores mineiros e viabilizou curtas-metragens que foram premiados em festivais nacionais e internacionais e tiveram diálogo com o FestCurtas BH.

A Fundação Clóvis Salgado é uma instituição vinculada à Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult). O BDMG Cultural integra o Circuito Liberdade. (As informações são da Secult)