COTAÇÃO DE 20/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,5600

VENDA: R$5,5610

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,5630

VENDA: R$5,7070

EURO

COMPRA: R$6,4683

VENDA: R$6,4712

OURO NY

U$1.782,01

OURO BM&F (g)

R$318,60 (g)

BOVESPA

+0,10

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

DC Mais

Jogo multimídia estimula novos hábitos de leitura

COMPARTILHE

Crédito: Divulgação

De um lado, um jogo multimídia desafia os leitores-participantes a criarem novos desfechos para o clássico “1984”, de George Orwell. Do outro, uma plataforma digital para brincar e aprender a programação criativa enquanto cria suas próprias funfics. São provocações dos dois novos dispositivos literários que chegam à Biblioteca Pública Estadual, no próximo sábado e foram criados por artistas e desenvolvedores em residência criativa do programa Bibliohack Lab (BHL), durante a pandemia da Covid-19.

Em meio às transformações digitais, a tecnologia ressignifica os hábitos das leitoras e leitores do século XXI. Esse é o ponto de partida do programa BiblioHack LAB (BHL), que traz para Belo Horizonte um novo dispositivo portátil e interativo de leitura. O Omec, uma maleta que convida a pessoa a jogar coletivamente a história do livro 1984, de George Orwell, e que leva o leitor a navegar por outros conteúdos e a explorar a atemporalidade da obra, permanecerá por quatro semanas na Biblioteca Pública Estadual para uso e teste pelo público, seguindo em itinerância pelas bibliotecas públicas do estado para ações formativas.

PUBLICIDADE

Explorando elementos do hiperlink, a maleta-jogo possibilita a pessoa, no lugar de fazer a leitura do livro proposto, jogar em grupo a história proposta, explorando e vivenciando mais amplamente aquele universo. A partir de perguntas provocadoras sobre temas como distopias e manipulação da verdade, o leitor/participante é convidado a interagir com sensores e botões que o levam a uma jornada na qual suas escolhas podem conduzi-lo a diferentes finais.

O dispositivo integra o BiblioHack LAB, programa de inovação em leituras, livros e bibliotecas da organização social Casa da Árvore – uma das organizações pioneiras no desenvolvimento de inovação em práticas de leituras a partir da cultura digital, e foi criado com o objetivo de provocar uma experiência de interação com a literatura que fosse capaz gerar nas pessoas uma reflexão sobre quais habilidades e competências que ainda precisam ser desenvolvidas no âmbito da leitura e do aprendizado do futuro. “Os dispositivos inventados no BiblioHack nasceram com o objetivo de provocar uma experiência de interação com a literatura que fosse capaz de gerar em nós uma reflexão sobre quais habilidades e competências precisamos desenvolver para compreender e participar do mundo no século XXI”, explica Aluísio Cavalcante, designer de inovação da Casa da Árvore e coordenador geral do BHL. Para ele, “as bibliotecas podem ser o coração da inovação nas práticas de mediação de leitura e formação de leitores, onde a arte tecnológica, o letramento para as mídias, a expressão artística e a participação social se unem para formação do leitor-cidadão”.

A residência criativa on-line do BiblioHack LAB integrou artistas, educadores, pesquisadores e desenvolvedores, que participaram de um processo seletivo e receberam auxílio técnico e financeiro. O projeto recebeu 12 propostas de dispositivos móveis interativos de literatura de diferentes regiões do Brasil, e todos foram avaliados pela equipe de residência, sendo dois aprovados: o Omec e o FunFic: um espaço inventivo, que traz narrativas ficcionais escritas por fãs, descontruídas da história original, e que na medida em que a história é construída, se tem a materialização de um lado e o código do outro: o caminho que o computador chegou para criar a imagem. “O funfic é um dispositivo web, em que a pessoa cria a história, e esse uso da escrita literária alimenta a escrita criativa de códigos e vice-versa”, explica Cavalcante.

Campanha – O Omec foi criado com tecnologias abertas e de baixo custo, possibilitando ser replicado em outros contextos e a partir de outras provocações que façam sentido para quem estiver criando. A ferramenta terá o seu projeto técnico publicado em um ebook, ainda em setembro, para estimular a criação de novos dispositivos interativos de leitura com base na sua proposta. 

O FunFic foi incorporado como dispositivo de leitura-autoria no site da Biblioteca Mário de Andrade (SP) e no site do www.bibliolab.com.br para acesso livre já disponível. Além disso, o BiblioHack LAB irá empreender uma campanha para que outras bibliotecas incorporem o FunFic em seus sites. Os dois dispositivos contam com recursos visuais, sonoros e sensoriais, permitindo uma experiência mais inclusiva e acessível

Para o coordenador da residência criativa e mentor dos projetos, Ricardo Palmiere, os dispositivos desenvolvidos pelo BHL deixarão uma contribuição para além das experiências que os leitores e os leitores poderão vivenciar na Biblioteca Pública Estadual. “Todo o processo, desde as pesquisas, a concepção até o desenvolvimento do protótipo, foi documentado e os projetos serão publicados sob licenças livres e disponibilizados em plataformas abertas para que possam ser remixados e reconstruídos em outras bibliotecas ou espaços com interesse neste tipo de tecnologia”, destaca Palmiere.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!