COTAÇÃO DE 07/12/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6180

VENDA: R$5,6180

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6500

VENDA: R$5,7830

EURO

COMPRA: R$6,3427

VENDA: R$6,3451

OURO NY

U$1.784,35

OURO BM&F (g)

R$323,23 (g)

BOVESPA

+0,65

POUPANÇA

0,5154%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

DC Mais
Crédito: Freepik

Brasília – O Ministério do Meio Ambiente (MMA) abre hoje consulta pública sobre a proposta de termo de compromisso que será firmado entre o governo e seis grandes empresas para o estabelecimento de ações voltadas à economia circular e logística reversa de embalagens em geral. A Portaria nº 252/2020, que torna pública a abertura do processo, foi publicada ontem no “Diário Oficial da União (DOU)”.

A minuta do termo de compromisso estará aberta para receber contribuições e sugestões até o dia 3 de julho, no site do ministério.

PUBLICIDADE

A logística reversa é definida na Política Nacional de Resíduos Sólidos como instrumento de desenvolvimento econômico e social caracterizado por ações, procedimentos e meios que viabilizem a coleta e a restituição dos resíduos sólidos ao setor empresarial. O objetivo é reduzir resíduos e poluição e regenerar sistemas naturais, mantendo produtos e materiais em ciclos produtivos ou promovendo a destinação final ambientalmente adequada.

De acordo com o MMA, as empresas Ambev, Kaiser & HNK BR, Nestlé, Coca-Cola, Tetrapak e Unilever, que assumirão o compromisso, colocaram no mercado cerca de 5 milhões de toneladas de embalagens em 2018. As iniciativas de logística reversa envolvem toda a cadeia de produção e consumo, desde fabricantes, importadores, distribuidores, comerciantes, consumidores até cooperativas e associações de catadores na coleta e reciclagem.

A meta do MMA é que 100% das embalagens plásticas sejam desenvolvidas com materiais que permitam a reciclagem ou compostagem até 2025 – hoje esse índice é de 80,4%. Além disso, o termo prevê um aumento progressivo do uso de matéria-prima reciclada pós-consumo nas embalagens inseridas no mercado. O plástico deve saltar de 7% para 23% e o vidro de 27% para 31%, em cinco anos.

Segundo o ministério, a medida aumentará o uso de modelos alternativos de embalagens retornáveis plásticas ou refis, saindo do patamar de 9% para 25%, e ainda avançar na reinserção do material descartado na cadeia produtiva. A taxa de reciclagem também terá aumento dos índices na indústria recicladora, de maneira progressiva, até 2025. Materiais de vidro deverão subir de 26% para 29%, de plástico de 34% para 38%, de papel de 60% para 62%. A reciclagem dos produtos de metal deve alcançar 87%.

“Com as medidas, o Ministério do Meio Ambiente pretende gerar um círculo virtuoso. Na medida em que se amplia o uso de produto reciclado em novas embalagens, a demanda pelo material pós-consumo aumenta e, consequentemente, fomenta a cadeia de reciclagem, já que a oferta de matéria-prima será maior. Além disso, ao considerar as taxas de reciclagem, indiretamente se influencia a formalização do mercado, com o incremento de renda de todos os participantes da cadeia que antecedem o reciclador”, informou o órgão.

O compromisso prevê também a implementação do projeto Conexão Circular MMA, que levará a 52 cidades brasileiras ações da agenda de qualidade ambiental urbana para combate ao lixo no mar, gestão de resíduos e áreas verdes urbanas. (ABr)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!