Foto: Freeimages

São Paulo – Como forma de celebrar a Semana do Meio Ambiente, a 9ª edição da Mostra Ecofalante de Cinema antecipou a exibição gratuita de cinco filmes recentes produzidos no Brasil, no Canadá, nos Estados Unidos e no Reino Unido.

Os filmes serão transmitidos a partir de amanhã e até o próximo dia 9 por meio da plataforma Videocamp. Normalmente a mostra é realizada em agosto.

A partir do título dos filmes, serão feitos encontros virtuais ao vivo, pelo Youtube e Facebook, para discutir temas como conservação ambiental, mudanças climáticas, economia e saúde.

Participam dos debates os cineastas Fernando Meirelles, Jorge Bodansky e Estêvão Ciavatta; os jornalistas Flávia Guerra, Mariluce Moura, da Revista Fapesp, e Claudio Angelo, da rede Observatório do Clima; Adriana Ramos, do Instituto Socioambiental; o cientista Paulo Artaxo, professor da USP, o professor de economia da PUC-SP Ladislau Dowbor; o procurador do Ministério Público Federal no Pará Daniel Azeredo; e o editor-chefe do Le Monde Diplomatique Brasil Silvio Caccia Bava

Os cinco filmes exibidos serão “Ruivaldo, o Homem que Salvou a Terra”, de Jorge Bodanzky e João Farkas; “Amazônia Sociedade Anônima”, que tem Estêvão Ciavatta como diretor e Walter Salles como produtor associado; “A Grande Muralha Verde”, que tem produção executiva de Fernando Meirelles, “O Golpe Corporativo”, de Fred Peabody, e “Ebola: Sobreviventes”, de Arthur Pratt.

Segundo o diretor da Ecofalante, Chico Guariba, a mostra já faz parte do calendário da cidade de São Paulo e, com a edição on-line, será possível expandir o público e o debate para todo o Brasil.

“A 9ª edição da Mostra Ecofalante foi transferida de junho para agosto por questões operacionais, mas não poderíamos deixar a Semana do Meio Ambiente passar em branco, especialmente neste momento em que a pandemia e a crise política e econômica têm amplificado os problemas socioambientais no Brasil e no mundo”, disse Guariba.

Programação – A mostra começa amanhã, às 19h30 com Ruivaldo, o Homem que Salvou a Terra, que conta a história de Ruivaldo Nery de Andrade, que ganhou destaque como um soldado na linha de frente da batalha pela proteção do meio ambiente. Antes da exibição, às 19 horas, o evento será apresentado pelo diretor da Mostra Ecofalante de Cinema, Chico Guariba, acompanhado por Laís Bodanzky, diretora-presidente da Spcine. O filme fica disponível até o próximo dia 9.

Na quinta-feira, às 17h, entram na plataforma os filmes “Golpe Corporativo” e “Ebola: Sobreviventes”, que também ficam disponíveis até 9 de junho. No mesmo dia, às 19h, os diretores de “Ruivaldo, o Homem que Salvou a Terra”, Jorge Bodanzky e João Farkas, debatem o filme, com mediação da jornalista Flávia Guerra.

Na sexta-feira, às 15h, cineastas brasileiros discutem “O Papel do Cinema na Comunicação de Questões Socioambientais”. Participam representantes de alguns dos títulos da programação: Fernando Meirelles, Jorge Bodansky, Estêvão Ciavatta e João Moreira Salles, com mediação de Flávia Guerra. Já às 19h, tema “Conservação: O

Ataque ao Meio Ambiente e aos Povos Tradicionais” será debatido por Adriana Ramos, com mediação de Claudio Angelo.

Ainda na sexta-feira, às 17h, começa a exibição de “Amazônia Sociedade Anônima”, filme que registra uma união inédita entre índios e ribeirinhos para salvar a floresta das quadrilhas que roubam terras e praticam o desmatamento ilegal. A obra mostra a resistência a invasões na terra indígena Sawré Muybu, entre os municípios de Itaituba e Trairão, no Pará, onde vivem cerca de 200 indígenas, além de populações ribeirinhas. O título fica disponível por 24 horas.

No sábado, às 17h, entra na plataforma por 24 horas o britânico “A Grande Muralha Verde”. O filme acompanha Inna Modja, cantora e ativista do Mali, em uma jornada épica pela grande muralha verde da África. Às 19h, entra em debate o tema “Mudanças Climáticas: Desertificação, Conflitos, Migrações e Outros Impactos Imediatos”, com participação do cineasta Fernando Meirelles e do cientista Paulo Artaxo e mediação de Daniela Chiaretti.

O tema de domingo é economia, ilustrado pelo documentário “O Golpe Corporativo”, que narra a história por trás desse tipo de golpe, que seria a origem de muitos dos problemas na democracia atual, controlada por lobistas e pelo corporativismo.

Às 19h, o debate será sobre “System Error: Como o Atual Sistema Econômico Leva à Destruição Ambiental, ao Fim do Trabalho Digno e ao Abalo da Própria Democracia”, do qual vão participar o professor Ladislau Dowbor e convidados e o mediador Silvio Caccia Bava.

Saúde será o tema da próxima segunda-feira (8), ilustrado pelo documentário norte-americano “Ebola: Sobreviventes”, considerado pela crítica especializada uma produção “muito poderosa”. Pelas lentes de cineastas africanos, o longa-metragem traça um retrato dos heróis da Serra Leoa ao enfrentar o ebola durante uma das mais agudas emergências de saúde pública dos tempos modernos.

Às 19h, o debate “Como Comunicar em Tempos de Crise Sanitária e Fake News?” contará com a participação do médico sanitarista Douglas Rodrigues e do biólogo e pesquisador, Átila Iamarino e mediação de Mariluce Moura. (ABr)