COTAÇÃO DE 16 A 18/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,4540

VENDA: R$5,4540

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,4700

VENDA: R$5,6130

EURO

COMPRA: R$6,3181

VENDA: R$6,3210

OURO NY

U$1.767,23

OURO BM&F (g)

R$309,68 (g)

BOVESPA

+1,29

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

DC Mais

Múltiplo Ancestral tem Amaro Freitas

COMPARTILHE

Crédito: HELDER TAVARES

A história de Baquaqua e de Sankofa serão contadas de maneira diferente pelo pianista pernambucano Amaro Freitas, em edição do projeto Múltiplo Ancestral, do CCBB Educativo. A atração estará disponível a partir deste sábado (24), às 10h, no site www.ccbbeducativo.com.

Em uma conversa sonora, o pianista pernambucano Amaro Freitas, uma das principais revelações do jazz brasileiro contemporâneo, em material produzido especialmente para o Programa CCBB Educativo, toca e fala sobre suas pesquisas, referências e músicas a partir de sua ancestralidade, da busca espiritual por histórias esquecidas, filosofias antigas e figuras inspiradoras do Brasil negro.

PUBLICIDADE

Muito para lá do sempre predominante samba jazz, Amaro Freitas volta-se para a cultura nordestina e traduz o frevo, o baião, o maracatu, a ciranda ou o maxixe para a linguagem do jazz. Baquaqua traz a história raramente contada do africano Mahommah Gardo Baquaqua, que foi trazido para o Brasil como escravo, mas fugiu para Nova York em 1847, onde aprendeu a ler e escrever. Sua autobiografia foi publicada pelo abolicionista americano Samuel Moore e hoje é o único documento conhecido sobre o comércio de escravos escrito por um ex-escravo brasileiro.

Sankofa, por sua vez, é um símbolo da Adinkra (conjunto de símbolos ideográficos dos povos acã, da África Ocidental), representado por um pássaro com a cabeça voltada para trás. Quando se deparou com essa figura em uma bata à venda em uma feira africana no Harlem (bairro de Nova York que foi palco de grandes pianistas do jazz, como Thelonius Monk e Art Tatum), Amaro compreendeu a importância do significado e fez dele o conceito fundamental para o seu novo álbum: “O símbolo do pássaro místico, que voa de cabeça para trás, nos ensina a possibilidade de voltar às raízes, para realizarmos nosso potencial de avançar”.

A cultura de Pernambuco transborda naturalmente no estilo de Amaro Freitas, pianista e compositor de 27 anos que é uma das grandes revelações do jazz brasileiro recente. Influenciado pelo mestre do frevo Capiba, por Moacir Santos, Hermeto e Gismonti, mas também pelas grandes referências do piano jazz como Monk, Jarrett ou Corea, lançou o seu disco de estréia, “Sangue Negro”, em 2016 e conquistou de imediato a crítica, que nele encontrou uma nova vida ao piano jazz.

Contratado pela gravadora londrina Far Out Recordings, o pianista, acompanhado de Jean Elton (contrabaixo) e Hugo Medeiros (bateria) já se apresentou em importantes clubs, como: Ronnie Scott’s (UK), Duc de Lombards (FR) e Unterfahrt Jazz Club (GE), à festivais internacionais, dentre eles: Outono em Jazz (Casa Da Música / PT), Buenos Aires (ARG), Rio das Ostras e Mimo (BR).

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!