COTAÇÃO DE 14/05/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,2710

VENDA: R$5,2710

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,2700

VENDA: R$5,4330

EURO

COMPRA: R$6,3961

VENDA: R$6,3990

OURO NY

U$1.843,90

OURO BM&F (g)

R$311,62 (g)

BOVESPA

+0,97

POUPANÇA

0,2019%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

DC Mais

Orquestra Ouro Preto aposta na versatilidade

COMPARTILHE

Crédito: Nathalia Torres

 Excelência e versatilidade definem a temporada “Experience” da Orquestra Ouro Preto (OOP). Na agenda, há concertos em homenagem ao grupo norueguês A-Ha e ao músico mineiro Vander Lee, uma parceria inédita com João Bosco, e espetáculos que vão do jazz inconfundível de Duke Ellington ao rock grunge do Nirvana, além do lançamento do álbum inédito Valencianas II, com Alceu Valença, gravado em Portugal. Para 2021, o maestro Rodrigo Toffolo preparou espetáculos que prometem levar experiências inesquecíveis ao público.

Toffolo explica que, desde sua formação em 2000, a OOP sempre trabalhou com os polos excelência e versatilidade. Para ele, a introdução de um repertório popular faz com que o público conheça a música clássica de um outro jeito e se sinta atraído a experimentar o lado erudito. “Uma pessoa inicia seu contato ouvindo A-Ha ou Beatles e acaba indo a concertos para ouvir Vivaldi, Mozart ou Grieg”, explica.

PUBLICIDADE

A estratégia da OOP vem dando certo ao longo dos 20 anos de estrada e, a cada ano que passa, o público aumenta mais. “Nossa teoria está comprovada. Conseguimos que a orquestra seja sempre acessível, com concertos de alto nível, seja ele erudito ou popular. Criamos uma conexão com o público independentemente do repertório”, afirma o maestro.

O primeiro concerto do ano será uma viagem ao passado com um espetáculo em homenagem ao grupo de rock norueguês A-Ha, um sucesso dos anos 80. A OOP vai tocar na íntegra o álbum “On Tour Brasil”, lançado pelo grupo em 1989 e que emplacou vários hits nas paradas de sucesso, como “Take On Me” e “Hunting High and Low”. “Essa banda marcou a história de uma geração que curtiu a vida a todo o vapor, sem telefone celular, sem redes sociais, mas com muita música, cores, personalidade e estilo. Queremos tocar a memória afetiva das pessoas, num clamor pelos bons momentos que ficaram para trás”, destaca Toffolo. O concerto terá os sintetizadores que revolucionaram a cena musical dos anos 80, com arranjos de Fred Natalino. 

Devido à pandemia da Covid-19, as datas dos concertos ainda não foram marcadas. A princípio serão lives, transmitidas pelo canal da Orquestra no YouTube, mas o maestro não descarta a possibilidade de fazer concertos ao ar livre quando as condições sanitárias permitirem. “Temos especialistas na área de infectologia nos ajudando diariamente a entender e pensar novas soluções. Esse é um dos desafios colocados à toda área cultural”, reflete.

“Nevermind” – Saindo dos anos 80 diretamente para os 90, a OOP fará uma homenagem ao grupo de rock grunge Nirvana, um fenômeno mundial que influenciou toda uma geração. A princípio, o concerto está agendado para 24 de setembro, quando o icônico álbum “Nevermind” completará exatos 30 anos, e promete ser um dos grandes momentos do ano. O disco marcou a juventude do maestro Toffolo, que conta que, ao sair da aula de violino, sempre colocava o álbum para tocar no seu discman. “A música deles é muito impactante e esse álbum tem calmaria e também rompantes. Vai ser inesquecível”, afirma.

O jazz também terá sua vez no repertório da temporada. No segundo semestre será apresentado um repertório em homenagem a um dos maiores jazzistas de todos os tempos: Duke Ellington. Junto à orquestra que o acompanhava em suas apresentações, o músico fez imenso sucesso entre 1920 e 1960. O espetáculo, que acontecerá em Belo Horizonte em local a ser definido, será também estético e visual e vai trazer um pouco da história do músico americano.

Um dos grandes destaques do ano é o lançamento do disco e DVD Valencianas II, gravado em Portugal e com novas músicas de Alceu Valença. “Alceu tem tantas e tantas músicas bonitas e muitas ficaram de fora do primeiro concerto. Fazer uma continuação era mais que natural”, explica Toffolo.

A orquestra também fechou uma parceria inédita com o cantor e compositor mineiro João Bosco para um espetáculo baseado em sua obra. Os arranjos serão feitos por Nelson Ayres, considerado um dos melhores do país. Os shows estão programados para o segundo semestre em Belo Horizonte e mais algumas cidades do interior a serem definidas.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!