COTAÇÃO DE 07/12/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6180

VENDA: R$5,6180

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6500

VENDA: R$5,7830

EURO

COMPRA: R$6,3427

VENDA: R$6,3451

OURO NY

U$1.784,35

OURO BM&F (g)

R$323,23 (g)

BOVESPA

+0,65

POUPANÇA

0,5154%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

DC Mais

“Vaivém” explora metáforas e possibilidades das redes

COMPARTILHE

Crédito: Rafael Adorján

Símbolo repleto de metáforas da luta permanente de resistência das comunidades indígenas no Brasil, a rede de dormir é o tema central da exposição “Vaivém”, que será aberta ao público hoje no Centro Cultural Banco do Brasil Belo Horizonte (CCBB BH).

Com 300 obras de 141 artistas, (entre eles, 32 indígenas, a mostra faz da rede um fio condutor da História do Brasil, desde o início da colonização portuguesa, quando a “cama” criada pelos índios virou parte do mobiliário das primeiras casas erguidas nas terras de Vera Cruz.

PUBLICIDADE

A versatilidade da rede foi depois usada para meio de transporte dos colonizadores, com uso de dois escravos negros, e para substituir o caixão no sepultamento dos afrodescendentes mortos. “Vaivém” revela que, além da utilização tradicional para repouso, a rede pode ser transformada em matéria-prima de arte, com suas amplas possibilidades de leitura, e de instalações sugestivas como a rede social (foto).

A exposição não se limita à rede em si e inclui pinturas de autores indígenas, ilustrações de europeus que estiveram no Brasil na época da colonização, como o lendário alemão Hans Standen, vídeos e até mesmo “Macunaíma” (1969), clássico do Cinema Novo dirigido por Joaquim Pedro de Andrade e adaptado do livro lançado por Mário de Andrade em 1938.
Na mostra, a rede está fortemente presente nas instalações de Tunga, Hélio Oiticica e Ernesto Neto, nas obras de Arissana Pataxó, nos quadros de Tarsila do Amaral e desenhos de Cândido Portinari.

Ocupando o terceiro andar e o pátio do CCBB, a mostra reúne pinturas, esculturas, instalações, performances, fotografias, vídeos, revistas em quadrinhos e documentos sob curadoria do historiador e crítico da arte Raphael Fonseca, que também é curador do Museu de Arte Contemporânea de Niterói (MAC – Niterói). Com obras clássicas do século 16 aos dias de hoje, ele ressalta que “Vaivém” transita entre tempos, linguagens e artistas.

Para ampliar o debate, o curador profere palestra gratuita hoje, às 20 horas, no Teatro II, do CCBB. No bate-papo o curador vai apresentar um panorama sobre as obras expostas e abordará a iconografia das redes de dormir e sua associação às ideias de Brasil, brasileiro e brasilidade, discutindo como diferentes artistas se utilizaram do objeto e suas representações para celebrar ou questionar noções diversas de identidade nacional. A palestra contará com tradução em libras.

Em São Paulo, Brasília e Rio de Janeiro, “Vaivém” foi vista por mais de meio milhão de pessoas. A exposição será exibida até 18 de maio no CCBB BH, diariamente (exceto às terças-feiras), de 10 às 22 horas. A entrada é franca e os ingressos podem ser retirados pelo site eventim.com.br ou na bilheteria do centro cultural.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!