COTAÇÃO DE 24/02/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,4417

VENDA: R$5,4422

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,4300

VENDA: R$5,6030

EURO

COMPRA: R$6,6247

VENDA: R$6,6260

OURO NY

U$1.804,75

OURO BM&F (g)

R$316,39 (g)

BOVESPA

+2,27

POUPANÇA

0,1159%%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

DC Mais

VIVER EM VOZ ALTA | O patrimônio histórico e artístico nacional

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Crédito: Sérgio Mourão/Setes

ROGÉRIO FARIA TAVARES*

Foi somente nos anos trinta do século vinte que o Estado brasileiro começou a se preocupar, de forma sistemática, com a proteção do patrimônio histórico e artístico nacional. Sob a liderança de Rodrigo Melo Franco de Andrade, surgiram as primeiras iniciativas mais relevantes nesse campo. Criado em 1937, quando Gustavo Capanema era o Ministro da Educação, o Sphan, hoje Iphan, foi conduzido por Rodrigo até 67. Seu legado foi fundamental para preservar a memória brasileira e, sobretudo, para lançar as bases do que se conhece, atualmente, como ‘educação patrimonial’, que é a consciência, disseminada na população, da importância do patrimônio histórico e artístico para a comunidade brasileira e o seu desenvolvimento econômico e social.

PUBLICIDADE

Não há nação civilizada que não cuide – e muito bem – de seu patrimônio. Elas sabem o quanto a sua vitalidade é essencial para formar as novas gerações, dinamizar a economia e atrair os turistas. Uma das marcas do subdesenvolvimento é o abandono ou o desleixo no trato do patrimônio histórico e artístico e a ignorância das autoridades públicas a respeito.

Detentora de cerca de 40% dos bens culturais tombados pelo Iphan no País, Minas Gerais é a chamada ‘jóia da coroa’ do Patrimônio. Alguns de seus municípios, como Ouro Preto (foto), Diamantina, Congonhas e Belo Horizonte (com o conjunto moderno da Pampulha), têm o seu patrimônio histórico reconhecido internacionalmente, por meio da Unesco. Tudo isso requer, naturalmente, a ação de gestores qualificados e sobretudo sensíveis, que reconheçam o valor da história, da memória e da arte para a afirmação da cidadania. Os mineiros, em especial, têm a sorte de contar com nomes como Ângelo Oswaldo de Araújo Santos, Ângela Gutierrez, Michele Arroyo e Célia Corsino entre aqueles que se dedicam ao tema com rigor e paixão, ao mesmo tempo.

Outro nome que merece destaque na área é o do competente Eugênio Ferraz. Natural da bela cidade de São Lourenço, no sul do estado, e formado em engenharia, Eugênio Ferraz fez carreira no Ministério da Fazenda, onde trabalhou por quatro décadas. Foi o seu superintendente em Minas por quatorze anos. Depois, dirigiu a Imprensa Oficial e o Sistema Autônomo de Água e Esgoto (Saae) de sua terra natal. Membro do Instituto Mineiro de Avaliações e Perícias de Engenharia, também integra o Instituto Histórico e Geográfico de Minas Gerais e o Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, o IHGB, fundado em 1838. Somos confrades nessas duas notáveis instituições.

Na semana passada, a meu convite, Eugênio lançou, na Academia Mineira de Letras, os dois primeiros volumes da trilogia “Restaurações Singulares no Brasil”: o primeiro focalizando sobretudo a restauração do Convento dos Mercedários, em Belém do Pará, destruído por um incêndio em 1978 e recuperado graças ao trabalho sempre sério do autor, em meados dos anos oitenta; o segundo sobre o Teatro Amazonas, de Manaus, a maior preciosidade artística do Ciclo da Borracha. Na palestra que antecedeu os autógrafos, Eugênio explicou, entre outras coisas, como foram as restaurações que liderou, lista que também inclui a Casa dos Contos, de Ouro Preto, prédio que até hoje se encontra em bom estado. São livros a serem lidos e relidos.

*Jornalista e presidente da Academia Mineira de Letras

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

VEJA TAMBÉM

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!

FIQUE POR DENTRO DE TUDO !

Não saia antes de se cadastrar e receber nosso conteúdo por e-mail diariamente