COTAÇÃO DE 02/08/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,1650

VENDA: R$5,1650

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,1700

VENDA: R$5,3200

EURO

COMPRA: R$6,0990

VENDA: R$6,1002

OURO NY

U$1.813,45

OURO BM&F (g)

R$299,72 (g)

BOVESPA

+0,59

POUPANÇA

0,2446%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Apesar do interesse, Sica diz que argentinos estão tranquilos - Crédito: Marcos Brindicci / Reuters

Brasília – A Argentina acompanha com atenção o desenrolar do processo eleitoral no Brasil para entender como será a política econômica futura, disse o ministro da Produção da Argentina, Dante Sica, ressaltando, contudo, que não há preocupação com a disputa presidencial.

“Temos observado o processo eleitoral, mas não estamos preocupados”, afirmou ele a jornalistas, após reunião em Brasília com o ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (Mdic), Marcos Jorge.

PUBLICIDADE

Segundo Sica, o tema é natural foco de atenção, já que quando o “Brasil vai bem, a Argentina vai bem”, sendo que um crescimento de 1 ponto no Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro implica alta de 0,25 ponto para o vizinho do Mercosul, de acordo com ele.
Falando a jornalistas, Sica também elogiou a transparência das eleições no Brasil e a rapidez com que os resultados são divulgados.

Sobre as perspectivas para a atividade na Argentina, ele afirmou que o país deve ver uma queda menor do PIB no quarto trimestre e uma recuperação “muito mais generalizada” entre o primeiro e o segundo trimestres de 2019.

Influência – Também presente na coletiva, Marcos Jorge afirmou que, segundo estudos da Câmara de Comércio Exterior (Camex), há redução de cerca de 4,4% dos embarques brasileiros para a Argentina a cada 1 ponto de contração do PIB argentino.

Como reflexo desse quadro, no ano até setembro, as exportações para a Argentina recuaram 4,6%, ao passo que as importações subiram 17,5%.

Na semana passada, a entidade representativa das montadoras brasileiras, Anfavea, estimou que o Brasil deve amargar uma redução de 8,6% nas exportações de veículos neste ano por conta da crise na Argentina.

Em desvalorização, a moeda argentina perdeu mais de 50% de seu valor contra o dólar neste ano até agora.

Atingido por grave recessão econômica, o país anunciou recentemente um acordo de financiamento de US$ 57 bilhões com o Fundo Monetário Internacional (FMI) para resgatar a confiança de investidores e pagar o serviço da sua dívida externa em 2019. (Reuters)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!