COTAÇÃO DE 04/03/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6572

VENDA: R$5,6582

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,5600

VENDA: R$5,8300

EURO

COMPRA: R$6,7415

VENDA: R$6,7445

OURO NY

U$1.698,79

OURO BM&F (g)

R$309,40 (g)

BOVESPA

+1,35

POUPANÇA

0,1159%%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

EDITORIAL | Vazio que preocupa

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Faltando apenas duas semanas para o primeiro turno das eleições gerais, as atenções prosseguem concentradas nas pesquisas de opinião que apontam os resultados previsíveis, principalmente para a Presidência da República. Na mesma proporção os ânimos se acirram, com os candidatos, quase sempre, trocando acusações – quando não ofensas – entre si, o que evidentemente empobrece o debate que deveria ser o ponto focal de todo o processo e expressão mais alta do exercício da democracia. Nesse ambiente, em que é também grande o descredito com relação à política e aos políticos, candidatos e eleitores parecem não se dar conta do tamanho dos problemas e dos desafios que o País tem pela frente.

Especialmente no que toca à recuperação da economia, evidente pré-requisito para as ações esperadas do poder público, os candidatos, todos eles, se mostram evasivos e superficiais, alguns reconhecendo que existiram problemas à frente, outros nem isso, mas todos prometendo que as correções devidas virão, com o País reencontrando a trilha do crescimento com toda a sua carga de efeitos positivos. Preocupa, e muito, tamanha superficialidade, até porque o debate, mesmo truncado, está também deslocado de seu leito natural, como se fosse possível esquecer que a governabilidade depende de uma coalisão parlamentar que prossegue distante do horizonte e da realidade palpável. Ou nos remete, forçosamente, às praticas em que a corrupção se nutre e a troca de favores anula, ao mesmo tempo, mérito e competência, reproduzindo dessa forma, como único resultado, as dificuldades que hoje os brasileiros conhecem tão de perto.

PUBLICIDADE

Não se pode admitir, principalmente nessa etapa final que antecede a votação, que se continue tentando ignorar as proporções do desequilíbrio fiscal que, prosseguindo ascendente e ao contrário do que o atual governo prometia, coloca o setor público muito próximo de uma situação de colapso, em que até mesmo serviços essenciais podem estar comprometidos. Esta é a realidade que candidatos fingem ignorar ou para a qual propõem soluções simplistas, dizem que corrigirão as mazelas que em alguns casos apontam até enfaticamente mas são sempre simplistas e superficiais, deixando de explicar sobre qual alicerce construirão a base política capaz de lhes dar suporte para decisões que serão necessariamente difíceis e amargas.

Tudo isso parece estar deixando no ar uma amarga sensação de vazio, uma desilusão que se traduz em falta de esperança e que pode ser percebida também nas pesquisas divulgadas, em que chama atenção o número de eleitores ainda indecisos, sem contar os que dizem que não votarão ou anularão seus votos, numa espécie de renúncia à cidadania.

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

VEJA TAMBÉM

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!

FIQUE POR DENTRO DE TUDO !

Não saia antes de se cadastrar e receber nosso conteúdo por e-mail diariamente