COTAÇÃO DE 17/05/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,2660

VENDA: R$5,2660

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,2500

VENDA: R$5,4230

EURO

COMPRA: R$6,4106

VENDA: R$6,4134

OURO NY

U$1.866,89

OURO BM&F (g)

R$316,43 (g)

BOVESPA

+0,87

POUPANÇA

0,2019%%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Unificação do PIS e Cofins pode não ter o efeito esperado

COMPARTILHE

Entre os anseios daqueles que defendem a reforma tributária, um dos que mais marcam presença, em geral, é o da simplificação. Diversos profissionais ao longo do tempo têm dito o quanto é importante que mudanças sejam feitas nesse sentido, o que geraria, inclusive, uma série de ganhos econômicos.

Nesse cenário, porém, a unificação do Programa de Integração Social (PIS) e da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins), uma das propostas atuais, poderá não surtir esse efeito simplificador tão almejado. Isso foi o que destacou o especialista em direito tributário e professor da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Onofre Batista, na live realizada na sexta-feira (18) pelo DIÁRIO DO COMÉRCIO. O tema do evento virtual foi “Reforma tributária e a busca por simplificação do atual sistema”.

PUBLICIDADE

Logo no início da transmissão, Batista comentou sobre alguns últimos acontecimentos. Na quarta-feira (16), o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou que vai tentar articular a votação, para os próximos dias, do projeto de lei que trata da unificação do PIS/Cofins.

No entanto, para Batista, os dois são absolutamente similares e não implicam em grande complexidade para o contribuinte porque uma lei é reflexo da outra. “Então, eu acho que isso é mais um lance político do que propriamente um passo significativo”, avaliou o especialista.

Nesse cenário, disse ele, o que aflige o empresário e uma das coisas mais dramáticas existentes são as obrigações acessórias. Ele exemplifica como isso acontece na prática do dia a dia. Para fazer uma retificação de um lançamento na receita federal, afirmou ele, por exemplo, é preciso um “exército”.

“A gente sabe que, muitas vezes, quando era em papel então, eram 200 mil formulários que ficavam no depósito e depois ninguém conseguia olhar”, relata.

Diante de todo esse quadro, Batista chamou a atenção para mais uma questão que considera relevante: o tempo de transição compreendido na reforma. Durante esse período, disse ele, tudo pode se tornar ainda mais complexo.

“Por dez anos, você torna o sistema muito mais complexo do que é, prometendo o céu, e nós sabemos que o céu não vem”, afirmou ele.

Possibilidades – Mas, então, como seria uma reforma tributária justa? Batista disse que uma reforma tributária se faz a todo momento.

“Nós teríamos de ter uma comissão permanente no Congresso fazendo pequenas reformas. Nem tudo de uma vez e nem tudo de uma vez por todas. Mas, por exemplo: acabar com a não cumulatividade do ICMS, acabar com benefícios indevidos”, destacou o especialista.

Ele defendeu a importância de corrigir os tributos “em comissões no Congresso, que envolvessem a academia, o empresariado, e fizessem constantes movimentos para eliminar obrigação desnecessária do Fisco, consertasse esses detalhes na tributação, mas constante”, ressaltou.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!