COTAÇÃO DE 08/03/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,7778

VENDA: R$5,7783

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,7570

VENDA: R$5,9330

EURO

COMPRA: R$6,7973

VENDA: R$6,8003

OURO NY

U$1.681,38

OURO BM&F (g)

R$310,09 (g)

BOVESPA

-3,98

POUPANÇA

0,1159%%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Especial Agronegócio Especial-destaque

Produtores de café em Minas enfrentam dificuldades em 2019

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Estimativa é que a colheita do grão tenha alcançado 24,5 milhões de sacas, queda de 26,5% - Crédito: Acervo FAEMG

Os preços baixos e as perdas provocadas pelo clima fizeram de 2019 um ano difícil para a cafeicultura de Minas Gerais. Mesmo em um ano de baixa produção, devido à bienalidade negativa, os preços não reagiram como o esperado pelo setor e os cafeicultores, mais uma vez, acumularam prejuízos. A estimativa é de que a colheita do grão tenha alcançado 24,5 milhões de sacas no Estado, volume 26,5% menor que a safra anterior. Mesmo com o empenho das entidades representativas do café, em 2019, os projetos para a criação de políticas públicas para atender os cafeicultores e garantir renda não foram colocados em prática e continuam sendo um dos principais desafios para o próximo ano.

Para 2020, as estimativas são cautelosas. Apesar de esperar por um volume maior, em função da bienalidade positiva, alguns fatores como o comprometimento da capacidade de investimento dos produtores e das várias intempéries climáticas registradas – como geadas, granizo, falta de chuvas e altas temperaturas – vão comprometer o rendimento da safra. Por isso, a tendência é de que a produção de café fique acima de 2019, porém, abaixo da registrada em 2018, quando a produção também era de bienalidade positiva.

PUBLICIDADE

De acordo com o vice-presidente de finanças da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais (Faemg) e presidente das Comissões de Cafeicultura da Faemg e da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Breno Mesquita, a safra de 2019 ficou mais baixa do que era esperado e o setor amargou prejuízos em Minas Gerais e demais regiões produtoras do País.

Sabendo da crise do setor, em maio, foram iniciadas negociações com o governo federal, para que fossem criadas medidas que reduzissem os prejuízos. A ideia foi criar um Prêmio Equalizador Pago ao Produtor Rural (Pepro) invertido, que poderia garantir um preço de referência para o café (R$ 438 por saca). Com o projeto, o objetivo era coordenar o fluxo de entrada da safra no mercado nacional e exportações. Para isso, o produtor que segurasse o café e o vendesse acima de R$ 438 receberia uma subvenção do governo de R$ 50 por saca, somando R$ 488 que cobriria o custo do café.

“Estamos em dezembro, a safra já foi encerrada e, até hoje, o projeto não saiu. O governo entendeu que deveria ser criado um projeto de lei, que está na Câmara dos Deputados e ainda não foi aprovado. 2019 foi um ano para ser esquecido. Vamos continuar em busca de soluções em 2020”.

Funcafé – Para 2020, também será feita uma mobilização para modificar a utilização dos recursos do Fundo de Defesa da Economia Cafeeira (Funcafé). A ideia é permitir que parte do orçamento seja aplicada em políticas de renda, o que hoje é vetado. De acordo com Mesquita, com o Funcafé, cujo orçamento é de R$ 6 bilhões, são feitos financiamentos, com condições especiais, para a produção do café, para a indústria de solúvel, torrado e moído, exportação, marketing e pesquisa.

“Temos uma linha de financiamento, mas não temos uma política de renda que garanta o pagamento dos recursos por parte dos produtores. É vedado fazer qualquer política de renda, como, por exemplo, comprar café no período de baixa de preços e vender na alta, como qualquer país faz. Estamos trabalhando para que a legislação seja modificada. Nossa proposta é que o Funcafé possa, de forma responsável, participar de políticas públicas que melhorem a renda do produtor”.

Com os preços baixos e sem políticas publicas, os produtores ficaram endividados e foi preciso buscar a renegociação de dívidas m 2019. Solução que é considerada temporária e acaba postergando os débitos.

Com produtor descapitalizado e uma safra menor, a partir de final de outubro, o mercado reagiu. De acordo com Mesquita, a previsão é que em 2020 seja registrado um déficit de produção em relação ao consumo de 1 milhão de sacas, fator que contribui para a valorização do grão. Outra questão é a desvalorização do câmbio, que torna as exportações mais favoráveis. O preço do café esta em torno de R$ 500 a saca.

“Com todos estes fatores, hoje estamos trabalhando com preços da saca equivalentes ao custo. Porém, a alta chegou a um momento em que a maioria dos produtores já não tem café para vender”, disse Mesquita.

Nas propriedades com gestão avançada e onde o produtor sabe o custo de produção, a indicação é que aproveitem a alta e vendam o café no mercado futuro, analisando o custo e buscando preços acima deles.

Ações – De acordo com a analista de agronegócio da Faemg, Ana Carolina Alves Gomes, várias ações vêm sendo desenvolvidas para minimizar os impactos negativos vivenciados pelos cafeicultores e para que eles tenham condições de sobressair ao cenário adverso. Uma das ações, que ocorreu durante a Semana Internacional do Café, o espaço Café + Forte, discutiu temas e inovações para atualizar os produtores. Este ano, o tema foi qualidade e exportação. “São estratégias que proporcionam maior rendimento diante de um cenário de preços baixos e dificuldades de produção”, disse Ana Carolina.

Também foi feito o seminário Interagro, onde os produtores são apresentados à cultura da exportação, conhecendo os países potenciais, tipos de cafés buscados e ferramentas necessárias para ingressar no processo de exportar. Além disso, o Senar trabalha com cursos e assistência técnica e gerencial, que são fundamentais para o avanço sustentável da produção.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

VEJA TAMBÉM

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!

FIQUE POR DENTRO DE TUDO !

Não saia antes de se cadastrar e receber nosso conteúdo por e-mail diariamente