COTAÇÃO DE 23 A 25/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6270

VENDA: R$5,6270

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6730

VENDA: R$5,8030

EURO

COMPRA: R$5,6730

VENDA: R$5,6750

OURO NY

U$1.792,47

OURO BM&F (g)

R$327,87 (g)

BOVESPA

-1,34

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Especial SME Negócios-destaque

ENGENHARIA HOJE | As perguntas ainda sem resposta no apagão do Amapá

COMPARTILHE

Apagão de três semanas levou caos a Macapá e aos municípios do interior que nunca haviam experimentado situação semelhante | Crédito: Rudja Santos/Amazônia Real

José da Costa*

A interrupção de três semanas no fornecimento de energia elétrica ao Amapá é um tema que tem tomado as manchetes dos principais meios de comunicação do Brasil, pela sua abrangência e duração e pelas consequentes repercussões negativas para as atividades econômicas e sociais do estado.

PUBLICIDADE

Algumas questões surgem: quais as causas das interrupções?; quem são os seus responsáveis?; que lições devem ser extraídas desse acontecimento?

Antes de analisarmos o caso específico do Amapá, vamos apresentar uma breve descrição das características do sistema elétrico brasileiro e informações sobre sua performance. O sistema interligado brasileiro é formado pela chamada rede básica, com abrangência nacional, composta pelas principais usinas geradoras e pela rede de transmissão, que opera em tensões de 230 kV ou superiores e tem como uma de suas funções precípuas, transportar a energia gerada até os centros consumidores. A partir destes pontos, a energia é transportada pelas empresas de distribuição, através de redes operando em tensão igual ou inferior a 138 kV, até os consumidores finais.

Este sistema elétrico brasileiro, com uma capacidade de geração de cerca de 180 mil MW, 160 mil quilômetros de linhas de transmissão, atendendo a mais de 80 milhões de unidades consumidoras e com uma carga total de 70 mil MW médios, é um dos maiores do mundo.

A implantação, operação e manutenção da rede básica é feita por diversas empresas de geração e transmissão, sendo o planejamento de responsabilidade da Empresa de Pesquisas Energéticas (EPE); a coordenação da operação é do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS); a regulação e fiscalização setorial, incluindo a distribuição, são da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

Segundo o Conselho Mundial de Energia, principal instituição imparcial na área de energia do mundo, que todo ano analisa a performance energética de 130 países, o Brasil é “top ten”, quanto à sustentabilidade ambiental e quanto à segurança e confiabilidade de fornecimento de energia.

No ano passado, em média, cada consumidor brasileiro teve 9,25 interrupções, com duração total de 12,5 horas (0,14% do tempo). Deste total, a rede básica é responsável por menos de 10% da duração, ou seja, em torno de uma hora por ano.

Normalmente a rede básica é planejada para atender o chamado critério “N-1”, isto é, o sistema deve continuar suprindo energia a todos os consumidores, mesmo com a falha de qualquer componente.

Dada esta explicação geral sobre o sistema elétrico brasileiro e sua performance mundialmente reconhecida, por que aconteceu este apagão no Amapá? O Amapá foi recentemente conectado ao sistema elétrico brasileiro através de uma linha de transmissão de 230 kV, em circuito duplo, a partir de uma derivação da linha Tucuruí- Manaus, na subestação de Jurupari, passando pelo município de Laranjal do Jari e chegando à subestação de Macapá, onde se conectam também as usinas hidrelétricas Ferreira Gomes, de 250 MW, e Cachoeira Caldeirão, de 219 MW.

A subestação de Macapá foi planejada para operar nesta fase, com três transformadores de 150 MVA cada, abaixando a tensão de transmissão de 230 kV para 69 kV, para alimentar a carga do estado, de cerca de 250 MVA. Ou seja, o critério “N-1” estava preservado. Na falta de um transformador, a capacidade da subestação seria reduzida para 300 MVA, suficiente para atender a carga de 250 MVA.

A ocorrência ainda está sendo analisada e, portanto, ainda não podemos tirar conclusões definitivas.  Pelas informações que circulam, um dos transformadores estava danificado e fora de operação desde o ano passado. No último dia 3, ocorreu um sobreaquecimento em uma das “buchas” de um dos dois transformadores remanescentes em operação. Este sobreaquecimento provocou um incêndio que afetou também o outro transformador em operação.

Então surgem as seguintes questões:

1- Por que o transformador danificado, que estava fora de operação, desde o final do ano anterior, não tinha ainda sido recuperado?

2 – Os transformadores e demais equipamentos da subestação atendiam as especificações técnicas exigidas?

3 – A empresa proprietária da subestação (um grupo financeiro que comprou o ativo da espanhola Isolux) estava procedendo às adequadas manutenções preventivas e preditivas?

4 – Por que a proteção do transformador não atuou a tempo de evitar o incêndio?

5 – Por que o incêndio não ficou restrito ao transformador com a bucha sobreaquecida?

6 – Para quais circunstâncias deve ser exigido o critério “N-2”?

7 – As exigências para a habilitação de empresas nos leilões de geração e transmissão estão adequadas?

Estas perguntas e muitas outras precisam ser respondidas nesta avaliação criteriosa, que é sempre feita em casos semelhantes, e as medidas devidas tomadas, para se adequar a governança setorial e os critérios de outorga de concessão, gestão, planejamento, fiscalização, operação e manutenção do sistema, para se evitar interrupções deste porte, melhorando assim, cada vez mais, o suprimento de energia a nosso país.

*Engenheiro eletricista e ex-presidente da SME, da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) e da Centrais Elétricas Brasileiras (Eletrobrás). Atualmente, é sócio-diretor da ABC Energia.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!